A VIDA INVISÍVEL CONCORRE NO GRANDE PRÊMIO DO CINEMA BRASILEIRO

Produzido por Rodrigo Teixeira, da RT Features, A VIDA INVISÍVEL teve sua estreia mundial no Festival de Cannes de 2019, no qual conquistou um feito inédito para o cinema brasileiro, o troféu principal da mostra Um Certo Olhar, e desde então circulou em festivais e salas de cinema pelo mundo, passando por países como França, Itália, Inglaterra, México, EUA, Cuba, Panamá, entre outros. O longa conseguiu 16 indicações, em 14 categorias, no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro.

A VIDA INVISÍVEL concorre nas categorias: Filme, Direção, Atriz (Carol Duarte e Julia Stockler), Ator (Gregório Duvivier), Atriz Coadjuvante (Fernanda Montenegro e Bárbara Santos), Ator Coadjuvante (Flavio Bauraqui), Roteiro Adaptado, Fotografia, Direção de Arte, Figurino, Montagem, Trilha Sonora, Maquiagem e Som. A premiação acontecerá em 10 de outubro, e será transmitida pela TV Cultura.

Entres os indicados e as indicadas um dos destaques é Bárbara Santos, em seu longa de estreia, no qual interpretou Filomena, e que pode se tornar a primeira atriz negra a receber o prêmio, que, desde sua criação em 2002, indicou apenas outras 5 intérpretes negras nas categorias de atriz principal e coadjuvante: Roberta Rodrigues, Zezeh Barbosa, Camila Pitanga, Zezé Motta e Grace Passô.

Dramaturga, diretora teatral, atriz, performer, escritora e ativista feminista, Bárbara Santos é coordenadora artística de KURINGA – espaço para o Teatro do Oprimido em Berlim e fundadora da Rede Ma(g)dalena Internacional de Teatro das Oprimidas. Ao longo de duas décadas trabalhou com o renomado dramaturgo Augusto Boal, como coordenadora do Centro de Teatro do Oprimido (Rio de Janeiro) e no desenvolvimento do Teatro Legislativo e da Estética do Oprimido. Sua experiência profissional inclui a atuação com grupos culturais e organizações sociais em mais de 40 países. Além disso, também é  autora de “Teatro do Oprimido, Raízes e Asas: uma teoria da práxis”, lançado em português, espanhol, italiano e inglês; “Percursos Estéticos: abordagens originais sobre o Teatro do Oprimido”, lançado em português, em 2018; e “Teatro das Oprimidas – estéticas feministas para poéticas políticas, lançado em português, na flip de 2019 e em espanhol, em Buenos Aires, em setembro de 2020.

A VIDA INVISÍVEL chegou ao circuito brasileiro em novembro do ano passado, depois de fazer carreira em festivais também no país, e foi o escolhido para representar o Brasil no Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira em 2019. Os direitos de lançamento do longa foram vendidos para mais de 30 países, entre eles EUA, Grécia; França; Polônia; China; Hungria; Eslovênia; Croácia; Luxemburgo; Bélgica; Holanda; Sérvia; Argélia; Egito; Irã; Israel; Jordânia; Líbia; Marrocos; Emirados Árabes; Reino Unido; Portugal; Itália; Coréia do Sul; Rússia; Cazaquistão; Ucrânia; Taiwan; Suíça; Espanha e Turquia.

SOBRE O FILME  

As irmãs Guida e Eurídice são como duas faces da mesma moeda – irmãs apaixonadas, cúmplices, inseparáveis. Eurídice, a mais nova, é uma pianista prodígio, enquanto Guida, romântica e cheia de vida, sonha em se casar com um príncipe encantado e ter uma família. Um dia, com 18 anos, Guida foge de casa com o namorado. Ao retornar grávida, seis meses depois e sozinha, o pai, um português conservador, a expulsa de casa de maneira cruel. Guida e Eurídice são separadas e passam suas vidas tentando se reencontrar, como se somente juntas fossem capazes de seguir em frente.   

Com roteiro assinado por Murilo Hauser, em colaboração com a uruguaia Inés Bortagaray e o próprio diretor, o longa – ambientado majoritariamente na década de 50 – foi rodado no Rio de Janeiro, nos bairros da Tijuca, Santa Teresa, Estácio e São Cristóvão.  

A direção de fotografia é da francesa Hélène Louvart, que assina seu primeiro longa brasileiro e acumula trabalhos importantes na carreira, como os filmes ‘Pina’, de Wim Wenders; ‘The Smell of Us’, de Larry Clark; ‘As Praias de Agnes’, de Agnès Varda; e ‘Lázaro Feliz’, de Alice Rohwacher, entre outros.  A alemã Heike Parplies, responsável pela edição do longa-metragem ‘Toni Erdmann’, da diretora Maren Ade, indicada ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, assina a montagem.   

SINOPSE  

Rio de Janeiro, 1950. Eurídice, 18, e Guida, 20, são duas irmãs inseparáveis que moram com os pais em um lar conservador. Ambas têm um sonho: Eurídice o de se tornar uma pianista profissional e Guida de viver uma grande história de amor. Mas elas acabam sendo separadas pelo pai e forçadas a viver distantes uma da outra. Sozinhas, elas irão lutar para tomar as rédeas dos seus destinos, enquanto nunca desistem de se reencontrar.     

FICHA TÉCNICA   

Direção: Karim Aïnouz   

Roteiro: Murilo Hauser

Co-roteiro: Inés Bortagaray e Karim Aïnouz 

Baseado na obra de Martha Batalha   

Elenco: Carol Duarte, Julia Stockler, Gregorio Duvivier, Bárbara Santos, Flávia Gusmão, Antônio Fonseca, Flavio Bauraqui, Maria Manoella e participação especial de Fernanda Montenegro.   

Produtor: Rodrigo Teixeira    

Co-produtores: Michael Weber e Viola Fügen.   

Empresas produtoras: RT Features, Pola Pandora, Sony Pictures, Canal Brasil e Naymar.   

Produtores Executivos:  Camilo Cavalcanti, Mariana Coelho, Viviane Mendoça, Cécile Tollu-Polonowski, André Novis  Produtor Associado: Michel Merkt   

Diretora Assistente: Nina Kopko   

Direção de Fotografia: Hélène Louvart (AFC)   

Direção de Arte: Rodrigo Martirena    

Figurino: Marina Franco   

Maquiagem:  Rosemary Paiva   

Diretora de Produção: Silvia Sobral    

Montagem: Heike Parplies (BFS)   

Montagem de som: Waldir Xavier   

Som direto: Laura Zimmerman   

Música Original: Benedikt Schiefer   

Mixagem: Björn Wiese   

Idioma: Português    

Gênero: Melodrama   

Ano: 2019   

País: Brasil   

SOBRE O DIRETOR   

Formado em Arquitetura pela Universidade de Brasília, Aïnouz fez mestrado em Teoria e História do Cinema pela Universidade de Nova York e participou do Whitney Independent Study Program. Cineasta premiado e celebrado mundialmente, roteirista e artista visual, realizou diversos curtas-metragens, documentários e instalações. Dirigiu os longas-metragens ‘Madame Satã’ (2002), ‘O Céu de Suely’ (2006), ‘Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo’ (2009, codirigido com Marcelo Gomes), ‘O Abismo Prateado’ (2011, produzido pela RT Features), ‘Praia do Futuro’ (2014), além do documentário ‘Aeroporto Central’ (2018). O próximo longa-metragem, ‘A Vida Invisível’, tem previsão de lançamento no dia 21 de novembro de 2019. Para a televisão, codirigiu com Sergio Machado a minissérie ‘Alice’, filmada no Brasil e transmitida pelo canal HBO em 2008. Aïnouz é um dos tutores do laboratório de roteiros do Porto Iracema das Artes emFortaleza e membro da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.   

Coronavírus em Tempo Real