Território indígena, Santuário dos Pajés sofre com o avanço imobiliário em Brasília

Em meio à pandemia, uma obra para inaugurar a principal rua do bairro Noroeste em Brasília, região nobre da capital federal onde a renda média por habitante é maior que 6 mil reais, acendeu o alerta na população do Santuário dos Pajés, território indígena que se encontra cercado pelos prédios de alto padrão. 

Desde a construção do Noroeste, o território considerado sagrado pelos povos originários enfrenta o avanço das imobiliárias dentro de suas terras.

“Isso daqui era uma mata. Conheço aqui desde de 1974 e era tudo muito lindo.O Santxiê (pajé) cuidava com muito carinho e depois que ele faleceu, veio a cacica Tanoné que também cuida com muito carinho. E hoje, aqui se resume em um canteiro de obras com buracos e máquinas", explica a artesão, Airy Gavião.

Em 2018,  foi feito um acordo com as lideranças do santuário, Ministério Público Federal, a Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap), o Instituto Brasília Ambiental (Ibram) e a Fundação Nacional do Índio (Funai), para realocar os povos que ali moram e, assim, liberar mais áreas para a construção de prédios e avenidas.

A Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap), responsável pela construção da principal avenida na região Noroeste, informou à equipe de reportagem ,por email,que o Santuário dos Pajés não será afetado pelas obras.

 

Edição: Leandro Melito

Fonte: www.brasildefato.com.br/2020/08/25/territorio-indigena-santuario-dos-pajes-sofre-com-o-avanco-imobiliario-em-brasilia

Coronavírus em Tempo Real