Pesquisa: saída de Doria não altera liderança de Lula no primeiro turno

São Paulo – Pesquisa RealTime Big Data de intenção de votos para as eleições presidenciais de 2022, após a saída do ex-governador João Doria (PSDB) da disputa, foi divulgada nesta quarta-feira (25). O estudo, encomendado pela CNN, mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com 40% das intenções de voto, seguido por Jair Bolsonaro (PL), com 32%. Ciro Gomes (PDT) vem em terceiro, com 9%. Os entrevistados que afirmam voto em branco ou nulo são 9% e os indecisos e os que não responderam, 5%.

André Janones (Avante) e Simone Tebet (MDB) alcançam apenas 2%, enquanto Luciano Bivar (União Brasil) tem com 1%. Vera Lúcia (PSTU), Pablo Marçal (Pros), Sofia Manzano (PCB), Felipe d’Avila (Novo), Leonardo Péricles (UP) e José Maria Eymael (DC) não pontuaram. A pesquisa trabalhou com outros cenários (confira abaixo). A margem de erro do levantamento é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Nesta quarta, em entrevista coletiva em Brasília, a pré-candidata do MDB, Simone Tebet, procurou demonstrar confiança no apoio do PSDB. Doria anunciou a renúncia na segunda-feira (23). Na terça-feira (24), o Cidadania anunciou adesão oficial à emedebista. Já o PSDB, mergulhado na maior crise de sua história, ainda não se definiu entre apoiar Tebet ou lançar candidatura própria.

A legenda está dividida entre as duas posições e deve se reunir na próxima semana para tomar uma decisão. Eduardo Leite, ex-governador do Rio Grande do Sul, mencionado como possível vice de Tebet ou candidato próprio tucano, negou esse tipo de negociações.

Aécio Neves (PSDB-MG) é uma das lideranças tucanas que defendem Leite como candidatura própria do partido. A tendência de Leite, derrotado por Doria nas prévias do PSDB, seria candidatar-se ao governo do Rio Grande do Sul.

Um nome viável da terceira via é procurado ansiosamente por setores da elite nacional. Na semana passada, um grupo de empresários e economistas assinaram um manifesto apoiando Tebet como uma liderança capaz de “unir o País”.

Os cenários abaixo não incluem Vera Lúcia (PSTU), Pablo Marçal (Pros), Sofia Manzano (PCB), Felipe d’Avila (Novo), Leonardo Péricles (UP) e José Maria Eymael (DC), que não pontuaram. O estudo foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-07451/2022 e ouviu 3 mil pessoas por telefone entre segunda (23) e terça-feira (24).

Cenário 1

Cenário 2

 Cenário 3

Cenário 4

Fonte: www.redebrasilatual.com.br/politica/2022/05/pesquisa-saida-de-doria-nao-altera-lideranca-de-lula-no-primeiro-turno