Jornalistas da 'Folha' contestam publicação sobre racismo e pedem reflexão: 'Padrão nocivo' – Rede Brasil Atual

São Paulo – Em movimento incomum na redação, profissionais da Folha de S.Paulo encaminharam “carta aberta” à direção questionando o jornal sobre a publicação de um artigo, na edição impressa do último domingo (16), , no qual o autor tenta justificar a existência de um suposto racismo reverso. Para os 186 jornalistas que assinam o documento, a Folha tem publicado textos que “negam ou relativizam o caráter estrutural do racismo na sociedade brasileira”.

Controversos, os artigos causam polêmica nas redes sociais, aumentando a letura e garantindo audiência para o jornal. Mas, para os jornalistas, esse padrão é “nocivo” além do curto prazo. “O racismo é um fato concreto da realidade brasileira, e a Folha contribui para a sua manutenção ao dar espaço e credibilidade a discursos que minimizam sua importância”, afirmam.

Eles lembram que a Folha não costuma dar espaço a quem relativiza o Holocausto, defende a ditadura, “terraplanistas” e integrantes do movimento antivacina. E questionam por que a prática seria outra no caso do racismo. Se textos como o do último domingo, sobre “jornalismo reverso”, atraem audiência em um primeiro momento, “sua consequência seguinte é minar a credibilidade”. E afirmam ainda que o jornalismo deve defender valores como a verdade e o respeito à dignidade humana.

Confira a íntegra do documento:

19 de janeiro de 2022

Carta aberta de jornalistas da Folha à direção do jornal

Caros membros da Secretaria de Redação e do Conselho Editorial da Folha,Nós, jornalistas da Folha aqui subscritos, vimos por meio desta carta expressar nossa preocupação com a publicação recorrente de conteúdos racistas nas páginas do jornal.

Sabemos ser incomum que jornalistas se manifestem sobre decisões editoriais da chefia, mas, se o fazemos neste momento, é por entender que o tema tenha repercussões importantes para funcionários e leitores do jornal e no intuito de contribuir para uma Folha mais plural.

O episódio a motivar esta carta foi a publicação de artigo de opinião intitulado “Racismo de negros contra brancos ganha força com identitarismo” (Ilustrada Ilustríssima, 16/1), em que Antonio Risério identifica supostos excessos das lutas identitárias, que estariam levando a racismo reverso.

Para além de reafirmarmos a obviedade de que racismo reverso não existe, não pretendemos aqui rebater o que afirma o autor —pessoas mais qualificadas do que nós no tema já o fizeram, dentro e fora do jornal.

No entanto, manifestamos nosso descontentamento com o padrão que vem se repetindo nos últimos meses.

Em mais de uma ocasião recente, a Folha publicou artigos de opinião ou colunas que, amparados em falácias e distorções, negam ou relativizam o caráter estrutural do racismo na sociedade brasileira. Esses textos incendeiam de imediato as redes sociais, entrando para a lista de mais lidos no site. A seguir, réplicas e tréplicas surgem, multiplicando a audiência. A controvérsia então se estanca e morre, até que um novo episódio semelhante surja. Antes do artigo em questão, colunas de Leandro Narloch e Demétrio Magnoli cumpriram esse papel.

Acreditamos que esse padrão seja nocivo. O racismo é um fato concreto da realidade brasileira, e a Folha contribui para a sua manutenção ao dar espaço e credibilidade a discursos que minimizam sua importância. Dessa forma, vai na contramão de esforços importantes para enfrentar o racismo institucional dentro do próprio jornal, como o programa de treinamento exclusivo para negros.

Reconhecemos o pluralismo que está na base dos princípios editoriais da Folha e a defesa que nela se faz da liberdade de expressão.

No entanto estes não se dissociam de outros valores que o jornalismo deve defender, como a verdade e o respeito à dignidade humana. A Folha não costuma publicar conteúdos que relativizam o Holocausto, nem dá voz a apologistas da ditadura, terraplanistas e representantes do movimento antivacina.

Por que, então, a prática seria outra quando o tema é o racismo no Brasil?

Se textos como o de Antonio Risério atraem audiência no curto prazo, suaconsequência seguinte é minar a credibilidade, que é, e deve ser, o pilar máximo de um jornal como a Folha.

Por esses motivos, convidamos a uma reflexão e uma reavaliação sobre a forma como o racismo tem sido abordado na Folha. Acreditamos que buscar audiência às expensas da população negra seja incompatível com estar a serviço da democracia.

Assinam esta carta:

Adriana MattosAdriano VizoniAlfredo HenriqueAline MazzoAmanda LemosAmon BorgesAna BottalloAna Luiza AlbuquerqueAndre MarcondesAndressa MotterAnelise GonçalvesAngela BoldriniAngela PinhoAnna Virginia BalloussierArtur RodriguesBárbara BlumBeatriz IzuminoBianka VieiraBruna BorgesBruno B. SoraggiBruno BenevidesBruno MolineroBruno RodriguesCamila GambirasioCarolina DaffaraCarolina LinharesCarolina MoraesCatarina FerreiraCatarina PignatoClauber LarreClayton CastelaniCristiane GercinaCristiano MartinsCristina CamargoCristina SanoDani AvelarDani BragaDaniel E. de CastroDaniel MarianiDaniel MobiliaDaniela ArcanjoDanielle BrantDanilo VerpaDavid LucenaDébora MeloDiana YukariEduardo MariniEduardo MouraEmannuel Gonçalves GomesFábio PupoFernanda BrigattiFernanda GiuliettiFernanda MenaFernanda PerrinFlávia FariaFlávia MantovaniGabriel CabralGabriela BoninGéssica BrandinoGiovanna StaelGiuliana de ToledoGiuliana MirandaGuilherme BotaciniGuilherme GarciaGuilherme SetoGustavo FiorattiGustavo QueiroloHavolene ValinhosHeloísa LisboaHenrique SantanaIrapuan CamposIsabela PalharesIsabella MenonJairo MaltaJéssica MaesJoão GabrielJoão Gabriel TellesJoão Pedro PitomboJoão PerassoloJosé MarquesJulia ChaibKarime XavierKarina MatiasKleber BonjoanLaíssa BarrosLaura LewerLeonardo DieguesLeonardo SanchezLucas AlonsoLucas BrêdaLuís CurroLuiz Antonio Del TedescoMaicon SilvaManoella SmithMarcelo AzevedoMarcelo RochaMarciana de BarrosMaria Ap. Alves da SilvaMariana AgunziMariana ArrudasMariana GoulartMariana ZylberkanMarília MiragaiaMarina ConsiglioMarina LourençoMarlene BergamoMateus Bandeira VargasMatheus MoreiraMatheus RochaMatheus TeixeiraMathilde MissioneiroMaurício MeirelesMayara PaixãoMelina CardosoMônica BentoNaná DeLucaNatália CancianNatália SilvaNathalia DurvalNicollas WitzelOtavio VallePaola Ferreira RosaPatricia PamplonaPaula SopranaPaulo BatistellaPaulo SaldañaPedro LadeiraPedro LovisiPhillippe WatanabePriscila CamazanoRanier BragonRaphael HernandesRaquel LopesRebeca OliveiraRegiane SoaresRenan MarraRenata GalfRenato MachadoRicardo BalthazarRivaldo GomesRodrigo SartoriRonny SantosRubens AlencarSalvador NogueiraSamuel FernandesSílvia HaidarSilvia RodriguesTatiana HaradaTayguara RibeiroThea SeverinoThiago AmâncioThiago BethônicoTiago RibasVictor LacombeVictoria AzevedoVictoria DamascenoVitor MorenoVitória MacedoWalter PortoWashington LuizWesley Faraó KlimpelWilliam BarrosWilliam CardosoZanone Fraissat

E outros 22 jornalistas da FolhaTotal de adesões: 186

Fonte: www.redebrasilatual.com.br/cidadania/2022/01/jornalistas-da-folha-contestam-publicacao-sobre-racismo-e-pedem-reflexao-padrao-nocivo