Deputada federal do RJ Flordelis mandou matar o marido, mas fica livre por ter foro

Uma operação da Polícia Civil do Rio e do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPERJ) cumpriu, nesta segunda-feira (24), nove mandados de prisão preventiva e 14 de busca e apreensão contra 11 envolvidos na morte do pastor Anderson do Carmo, marido da deputada federal Flordelis (PSD-RJ).

De acordo com a investigação, a parlamentar e líder da Igreja Evangélica Ministério Flordelis – Cidade do Fogo foi a mentora intelectual da execução de Anderson, morto com mais de 30 tiros em 16 de junho do ano passado no município de Niterói, na região metropolitana do Rio. 

Leia também: Abrigo de LGBTs em situação de risco, Casa Nem sofre despejo em plena pandemia no Rio

A Operação "Lucas 12" concluiu que as tentativas de Flordelis para matar Anderson vêm desde 2018, quando o pastor começou a ser envenenado com arsênico que era colocado em sua comida. Segundo o delegado Allan Duarte, da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá (DHNSGI), a deputada foi a responsável pela compra da arma usada para matar Anderson.

“Flordelis, além de arquitetar todo esse plano, financiou a compra dessa arma, convenceu pessoas a realizar esse crime, avisou sobre a chegada da vítima ao local e tentou ocultar provas. Não resta a menor dúvida de que ela foi a autora intelectual, a grande cabeça desse crime", afirmou Duarte.

A conclusão da investigação aponta que a motivação do crime foi a gerência do dinheiro da família que ficava a cargo de Anderson. O pastor controlava todo o dinheiro do Ministério Flordelis.

"O inquérito chegou a esta conclusão: que ela planejou esse assassinato covarde. Motivação é porque ela estava insatisfeita com a forma que o pastor Anderson tocava a vida e fazia a movimentação financeira da família", explicou o delegado Antônio Ricardo Lima Nunes, chefe do Departamento de Homicídios.

Consequências

Flordelis não pôde ser presa na operação por ter foro privilegiado. O caso será enviado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ao todo, foram presos cinco filhos do casal e uma neta. A Justiça ainda emitiu mandados de prisão contra dois homens que já estavam na cadeia: o filho apontado como autor dos disparos, Flávio dos Santos Rodrigues e um ex-PM, Marcos Siqueira. Um sétimo filho, Lucas dos Santos de Souza, que já tinha sido preso por conseguir a arma, foi denunciado.

As prisões foram expedidas pela 3ª Vara Criminal de Niterói, que aceitou a denúncia do MP e tornou Flordelis ré. A deputada vai responder por cinco crimes: homicídio triplamente qualificado (por motivo torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa da vítima), associação criminosa, falsidade ideológica e uso de documento falso. Pelo envenenamento, ela responderá por tentativa de homicídio.

O Partido Social Democrático (PSD) esclareceu que suspendeu a filiação de Flordelis e já adota medidas jurídicas para a expulsão da deputada.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Rodrigo Durão Coelho e Jaqueline Deister

Fonte: www.brasildefato.com.br/2020/08/24/deputada-federal-do-rj-flordelis-mandou-matar-o-marido-mas-fica-livre-por-ter-foro

Coronavírus em Tempo Real