Trump manda assessores esconder pesquisa eleitoral desfavorável

Para um presidente que estreou no poder mentindo sobre o tamanho da multidão na sua posse, Donald Trump não se esforça para demonstrar confiança em números. Desta vez, porém, foi seu próprio encarregado por pesquisas da campanha de reeleição que lhe trouxe as más notícias. Sua reação foi negar e esconder as cifras.

De acordo com o jornal The New York Times, Tony Fabrizio conduziu uma pesquisa em 17 estados e apurou que Trump perderia hoje para o democrata Joe Biden, vice presidente das gestões de Barack Oabama, em vários pontos cruciais para uma vitória no Colégio Eleitoral, em 2020. O presidente, segundo o jornal, instruiu seus assessores a negar os resultados e a chamar atenção para os números positivos. Um porta-voz da campanha, ouvido pelo jornal The Hill, negou ter recebido a instrução.

Trump considera Biden, o atual favorito no populoso campo de pré-candidatos democratas, seu adversário mais forte. Já vinha reagindo a uma pesquisa da Quinnipiac University, da semana passada, que o colocara quatro pontos atrás de Biden no Texas, um estado que não vota num democrata para presidente desde 1976 e que tem o segundo maior número de delegados no Colégio Eleitoral.

Mas, na terça-feira, 11, a Quinnipiac University trouxe novas más notícias para a campanha Trump. Sua pesquisa nacional colocou Biden derrotando Trump por 53% a 40% dos votos.  Entre as mulheres, o democrata bate Trump por 60% a 34%. Entre os homens, há quase empate, Biden tem 47%, e Trump, 46%.

Ao colocar o presidente diante de outros candidatos, a mesma pesquisa nacional mostrou que cinco deles vencem de Trump: o senador de Vermont Bernie Sanders, por 51% a 40% dos votos; a senadora da Califórnia Kamala Harris, por 49% a 41%; a senadora de Massachusetts Elizabeth Warren, por 49% a 42%; o prefeito de South Bend, Pete Buttigieg, por 47% a 42%; o senador de New Jersey Cory Booker, por 47% a 42%.

Trump desmentiu as revelações do jornal The New York Times sobre os resultados negativos para o presidente nas pesquisas que encomendará. Num tuíte, disse que os números “não existem” e que está mais popular do que nunca. Comparado aos últimos nove presidentes americanos, desde Dwight Eisenhower, só o democrata Jimmy Carter estava mais impopular do que Trump a esta altura do mandato, de acordo com o Instituto Gallup.

Ao contrário de Trump, que governa um país em crescimento econômico e inflação baixa, Carter conduziu os Estados Unidos entre 1977 e 1981, quando a economia americana estava mergulhada em estagflação. Em plena Guerra Fria, o país ainda enfrentou em 1979 uma severa crise energética e o drama dos reféns no Irã.

Fonte: veja.abril.com.br/mundo/trump-manda-assessores-esconder-pesquisa-eleitoral-desfavoravel