Sequelas da covid no trabalhador é tema de debate em webinário

São Paulo – As sequelas da covid-19 na saúde dos trabalhadores, especialmente entre os bancários, foi tema de um webinário organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), na manhã desta quarta-feira (28). O debate marcou o Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho. Foram convidadas as médicas Maria Maeno e Clarissa Lin Yasuda.

A data foi instituida pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) após a morte, em 28 de abril de 1969, de 78 trabalhadores na explosão de uma mina nos Estados Unidos. No Brasil, entrou no calendário durante o primeiro governo Lula como Dia Nacional em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho, pela Lei nº 11.121, no ano de 2005.

De acordo com estatísticas da OIT, 2,02 milhões de pessoas morrem a cada ano devido a enfermidades relacionadas ao trabalho. A cada 15 segundos, 115 trabalhadores sofrem um acidente laboral e um morre.

“É um momento muito difícil, sem perspectivas claras, ainda mais no Brasil, que é tratado como o epicentro da doença”, lamentou Maria Maeno, referindo-se à covid-19. “Atualmente, estamos disputando a narrativa entre as saídas individuais e as ações conjuntas. Por isso, mais do que nunca, a ação sindical é fundamental, para que os bancários tenham consciência de como a coletividade é importante não só como categoria, mas também como sociedade.”

A médica e pesquisadora comentou a postura dos bancos e seus serviços médicos na atenção aos bancários adoecidos. Abordou ainda o medo de contaminação, reestruturações, demissões e a pressão por resultados. Também falou sobre metas abusivas no contexto da pandemia e o home office .

Clarissa Lin Yasuda é médica e professora assistente de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (FCM/Unicamp). Ela apresentou os dados da pesquisa NeuroCovid, conduzida por ela, com pacientes que fazem múltiplas queixas, mesmo dois meses após a infecção.

A presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira, lembrou que ocorreram mais de 40 negociações desde o início da pandemia, em busca da proteção aos bancários. “Conquistamos a criação de um protocolo de saúde e segurança nos bancos, colocamos mais de metade da categoria em home office. Cobramos dos bancos também informações corretas, que são fundamentais em momentos de crise, para os bancários. E agora nos deparamos com outro problema, que são as sequelas da covid-19. Na conversa com os bancários de base percebemos uma série delas.”

De acordo com Mauro Salles, secretário de Saúde da Contraf-CUT, a data é sempre muito significativa para a classe trabalhadora e, este ano, ainda mais. “Estamos sempre lutando por saúde e segurança dos trabalhadores. Tradicionalmente a gente marca essa data com muita luta contra o adoecimento nos locais de trabalho. Neste momento, nosso principal inimigo é a Covid-19, é a maior causa de adoecimento relacionado ao trabalho. Portanto, nada mais justo que começarmos este evento homenageando as vítimas desta doença, principalmente os bancários e nossos colegas dirigentes sindicais”, disse, ao pedir 20 segundos de silêncio.

Com informações da Contraf-CUT

Fonte: www.redebrasilatual.com.br/saude-e-ciencia/2021/04/sequelas-covid-trabalhador