'Eu não tenho vergonha de amamentar, eu sinto prazer' – ViDA & Ação

“Eu não tenho vergonha de amamentar, eu sinto prazer, estou transmitindo a vida. O aleitamento é saúde, pois leite materno previne muitas doenças, além de ser importante para criar um vínculo com o bebê. Eu gosto de ficar olhando para minha filha, vejo ela ficando corada. Amamentar é vida, vale ouro”, define Roseli Barbosa, mãe da pequena Júlia, de 11 meses.

Ela foi uma das gestantes e nutrizes (mulheres que estão amamentando) que participaram, nesta quinta-feira (04), de ação de incentivo à prática promovida pela Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS-Rio) na Nave do Conhecimento de Padre Miguel, na Zona Oeste.

imagem05-08-2022-03-08-44
imagem05-08-2022-03-08-44

O evento faz parte da Semana Mundial do Aleitamento Materno e da campanha Agosto Dourado, que contará ao longo deste mês com uma série de atividades de promoção à saúde em clínicas da família, centros municipais de saúde e maternidades, com orientação para as mamães sobre a importância desse alimento para o bebê, e também sobre a doação do leite materno.

No evento desta quinta-feira, mulheres atendidas em unidades de saúde da região de Bangu e Realengo tiveram acesso a diversas atividades, como pilates para gestantes, oficina de sling, ultrassonografia natural, além tirar dúvidas com profissionais de saúde e trocar experiências.

Outra participante do evento, a gestante Carina de Almeida, que já é mãe de duas meninas, falou da sua mudança de perspectiva em relação à amamentação.

imagem05-08-2022-03-08-45
imagem05-08-2022-03-08-45

“Eu tenho duas filhas. Da primeira vez, eu não insisti, erro meu, optei pelo caminho mais fácil. Já na segunda, foi totalmente o contrário, ela mamou até os 2 anos. E notei muita diferença, principalmente em relação à imunidade da minha bebê. A gente escuta muito que nosso leite é fraco, que tem que complementar com alguma coisa, mas o leite é forte sim, e é o suficiente para o seu bebê”.

imagem05-08-2022-03-08-46
imagem05-08-2022-03-08-46

A fonoaudióloga Bruna Accioly, profissional do Núcleo Ampliado à Saúde da Família (NASF) da região, explica que toda mãe pode amamentar: “Às vezes a mulher acha que não produz leite suficiente, mas o que ocorre, nesses casos, é que essa mãe não recebeu orientação de forma adequada e acabou se valendo de um outro artifício para suprir essa dificuldade.”

Bruna reforça que o leite materno é o alimento mais completo que existe. “Ele é uma fonte de proteção, com todas as proteínas, vitaminas e nutrientes que a criança precisa. A amamentação também é um benefício para mãe, favorecendo o retorno do seu peso e redução do volume do útero pós-parto. Além disso, é importante para o desenvolvimento oral do bebê e do vínculo afetivo”, informa a fonoaudióloga.

Para as mulheres que enfrentam dificuldades na amamentação, as clínicas da família e centros municipais de saúde e também as maternidades oferecem atividades em que os profissionais ensinam técnicas e estratégias para tornar esse momento mais prazeroso e eficaz para as mães.

imagem05-08-2022-03-08-47
imagem05-08-2022-03-08-47

Já para as mulheres que realmente não podem amamentar seus filhos, por alguma razão, a rede pública conta com bancos de leite nas maternidades municipais. O alimento é doado por mães cadastradas e passa por todo um processo de controle de qualidade até ser distribuído. Os bancos também são fundamentais para atender recém-nascidos prematuros, como os internados em CTI neonatal.

Mulheres que produzem uma quantidade de leite excedente podem ser doadoras. Basta ser saudável e não tomar nenhum remédio que prejudique o aleitamento. Os bancos também aceitam doação de potes de vidro com tampa plástica, para acondicionamento do leite. Para encontrar onde doar e o banco de leite mais próximo do seu bairro, acesse https://bit.ly/bancoleiteSMS-Rio.

imagem05-08-2022-03-08-47
imagem05-08-2022-03-08-47

Fonte: www.vidaeacao.com.br/eu-nao-tenho-vergonha-de-amamentar-eu-sinto-prazer