Deputado bolsonarista cassado é alvo de operação da Polícia Civil contra organização criminosa

Foto:  Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Ação cumpre 10 mandados de busca e apreensão em endereços de dirigentes do SindMotoristas em São Paulo e Sergipe suspeitos de lavagem de dinheiro, entre eles Valdevan Noventa (PL-SE)

A Polícia Civil realizou na manhã desta sexta-feira (12) em São Paulo e em Sergipe uma operação que cumpre dez mandados de busca e apreensão em endereços de dirigentes do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (SindMotoristas). Os dirigentes são acusados por lavagem de dinheiro, ocultação de bens e organização criminosa a fim de apropriação indevida de recursos públicos. Entre os alvos da operação está o deputado federal cassado José Valdevan de Jesus Santos, o Valdevan Noventa (PL-SE), do partido de Bolsonaro.

De acordo com a polícia, o grupo que teria até 17 pessoas, movimenta cerca de R$ 20 milhões anuais, provenientes de propinas e desvios de verbas e subsídios da prefeitura de São Paulo às empresas de ônibus. Também há acusações de ameaça, extorsões, lavagem de dinheiro e ocultação de bens. Não houve presos, mas celulares, documentos, relógios e dinheiro em espécie foram apreendidos.

Esta já é a terceira operação da Polícia Civil de São Paulo que envolve o setor do transporte público urbano e suas ligações com o crime organizado nos últimos meses. Em junho, outras duas operações ligaram uma empresa, que tem contratos com o município que chegam a R$600 milhões, à principal facção criminosa do Estado, o PCC. Haveria ainda mais empresas suspeitas de semelhantes práticas.

Procurado pela imprensa, o SindMotoristas se diz surpreso com as novas acusações de práticas criminosas em seus quadros e afirmou em nota que se coloca à disposição das autoridades para colaborar com as investigações.

Quem é Valdevan Noventa?

Os endereços para os quais houve mandados de busca e apreensão nesta sexta estão localizados na cidade de São Paulo, Grande São Paulo, Baixada Santista e na pequena cidade de Arauá, em Sergipe. Em São Paulo participaram da operação cerca de 50 policiais e um dos endereços foi a mansão de Valdevan Noventa em Taboão da Serraonde foram encontradas 40 cestas básicas que deveriam ter sido destinadas a funcionários do sindicato na forma de doações. Paralelamente, policiais de Sergipe também apareceram no haras onde Valdevan mantém 50 cavalos. Ele é apontado como uma liderança do grupo.

Bolsonarista, Valdevan se elegeu deputado federal por Sergipe apoiado pelo atual presidente. No entanto acabou tendo seu mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 17 de março desse ano por abuso de poder ecônomico na campanha eleitoral de 2018. Em outras palavras, Valdevan é acusado de fraudar na forma de doações de laranjas cerca de 40% dos R$551mil que utilizou para fazer a campanha.

De acordo com reportagem da Folhapessoas comuns de Arauá e Estância foram aliciadas para simular doações ao candidatoEm uma única agência da Caixa, teriam sido feitas mais de 80 doações no valor de R$1050 cada, o que chamou a atenção. O total ventilado dessas supostas doações é de R$350 mil. De acordo com apuração do TSE divulgada para a imprensa, “o perfil dos doadores era incompatível com o valor doado, uma vez que vários eram beneficiários do programa Bolsa Família”. Alguns deles teriam confirmado que apenas emprestaram o CPF para que fossem feitas as ‘doações’.

Fonte: Revista Fórum