Bolsonaristas ameaçam Doria nas redes, em faixas nas ruas e pelo celular

Os militantes bolsonaristas que já vinham atacando o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), nas redes sociais por ele ter se tornado o principal antagonista à política do presidente Jair Bolsonaro no enfrentamento do novo coronavírus. subiram o tom na madrugada desta sexta-feira, 27, com envio de mensagens, inclusive de ameaças de morte, para seu celular pessoal e com a colocação de faixas ofensivas a ele nas ruas da capital paulista. Antes, o movimento se limitava a inundar os perfis do tucano com xingamentos e postagens que exigem o seu impeachment.

O tom das novas mensagens fez com que o tucano registrasse um boletim de ocorrência na polícia e reforçasse a sua segurança. Além de ameaças de morte contra o governador e a sua família, os perfis ameaçavam organizar um ato para pichar e invadir a casa do tucano Essa convocação também foi divulgada na internet com o endereço da residência de Doria.

A Polícia Civil irá investigar a origem dos ataques a partir de agora. Auxiliadores do governador afirmam que o seu número de celular foi divulgado para uma rede de perfis bolsonaristas a mando de funcionários do governo federal que têm ligações com o chamado “gabinete do ódio”. Localizada no terceiro andar do Palácio do Planalto, a sala abriga assessores do presidente que monitoram sua popularidade em redes sociais e gerenciam perfis destinados a atacar os críticos. O gabinete é comandado informalmente pelo vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), que viajou para Brasília nesta semana e tem participado de reuniões com a alta cúpula do governo federal.

Mundoimagem27-03-2020-16-03-17MundoPrefeito de Milão admite erro após campanha para não parar a cidadeBrasilimagem27-03-2020-16-03-17BrasilCaiado virou alvo do gabinete do ódio tão logo rompeu com BolsonaroPolíticaimagem27-03-2020-16-03-18PolíticaRobôs turbinam campanhas pró-Bolsonaro e por impeachment de DoriaPolíticaimagem27-03-2020-16-03-19PolíticaCom Bolsonaro isolado, filhos do presidente partem para o ataque

  • Brasilimagem27-03-2020-16-03-21Brasil1Reviravolta no caso Gugu: novo documento pode encerrar disputa por fortunaPolíticaimagem27-03-2020-16-03-21Política2'Agora talvez seja tarde para reagir', critica Olavo de CarvalhoEconomiaimagem27-03-2020-16-03-22Economia3MP de Bolsonaro permite suspensão de contrato de trabalho por 4 mesesBrasilimagem27-03-2020-16-03-22Brasil4Em vídeo, policial quebra a perna de mulher em SC — Entenda a história

    Por precaução, a polícia montou um bloqueio em frente à casa de Doria para evitar a aproximação de qualquer suspeito ao longo da noite. O esquema de segurança já foi desfeito e o governador irá manter sua agenda de trabalho sem alterações.

    Continua após a publicidade

    Um levantamento obtido pelo site de VEJA revelou na quinta-feira 26 que a campanha online pelo impeachment de Doria foi alimentada em grande parte com robôs. Entre os perfis analisados há contas que postaram a mesma mensagem contra o governador 354 vezes em menos de dois dias, o que contabiliza quase 16 publicações por hora. 

    Doria entrou na mira das milícias digitais após o bate-boca que teve com Bolsonaro na quarta-feira, 24. Em reunião por videoconferência, o tucano disse que repudiava o pronunciamento em que o presidente atacava a imprensa e as medidas protetivas que foram adotadas por governadores para conter a pandemia do coronavírus. Bolsonaro retrucou, afirmando que o tucano “apoderou-se” do seu nome para se eleger governador e que depois “virou as costas” e começou a atacá-lo “covardemente”.

    Faixas contra o governador João Doria foram espalhadas por São Paulo Faixas contra o governador João Doria foram espalhadas por São Paulo Reprodução/Twitter

    Os filhos de Bolsonaro intensificaram a atividade no campo digital desde o pronunciamento de Bolsonaro. A postura agressiva nas redes sociais é importante para manter mobilizada a base mais fiel ao presidente, sobretudo no momento em que estudos apontam que há um crescente isolamento dos bolsonaristas mais radicais na internet. Após o pronunciamento de Bolsonaro, o Laboratório de Democracia Digital da FGV identificou pela primeira vez uma união entre grupos de usuários considerados de “esquerda” com aqueles “não alinhados” a nenhum espectro ideológico. As manifestações, no caso, eram em repúdio ao discurso de Bolsonaro, cuja base teve participação de 6% a 8% num debate formado por 6 milhões de postagens no Twitter.

    Fonte: veja.abril.com.br/politica/bolsonaristas-ameacam-doria-nas-redes-em-faixas-nas-ruas-e-pelo-celular