O trabalho comunitário dos delatores da Lava-Jato

No semiaberto, o delator Lúcio Funaro deve começar em breve a prestar serviço comunitário no interior de São Paulo.

Uma hora de trabalho por cada dia de cana.

Segue os caminhos de Pedro Barusco, que deu aulas de matemática por dois anos no Rio, o operador Júlio Camargo, que atua no Corpo de Bombeiros carioca e Ricardo Pessoa, dono da UTC, que encaderna processos em uma Vara Federal de São Paulo.

Fonte: veja.abril.com.br/blog/radar/o-crime-da-trabalho