Museu de Nova York rejeita sediar premiação a Bolsonaro

O Museu Americano de História Natural, de Nova York, anunciou nesta segunda-feira, 15, que não sediará o jantar de gala de premiação do presidente Jair Bolsonaro como “Personalidade de 2019”, promovido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos. “Este evento tradicional vai acontecer em outro lugar na data e no horário originais”, informou na nota, sem agregar mais informações. A instituição alegou ter recebido amplas manifestações públicas contrárias a uma homenagem, em seus salões, ao presidente brasileiro de extrema direita que se posiciona contra seus valores em relação, especialmente, à preservação da Amazônia. Cientistas que atuam no museu chegaram a ameaçar com demissão se o evento fosse levado adiante no local. O jantar está programado para o próximo dia 14 de maio. Os ingressos, vendidos a 30.000 por pessoa, já se esgotaram. Ocorreria Salão da Vida do Oceano, onde uma baleia azul fica suspensa sobre as mesas dos convivas. Esta é a primeira vez que o Museu deixará de sediar os eventos da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos de premiação da “Personalidade do Ano”. A entidade comentou que havia consentido antes de saber da escolha do homenageado de 2019. Nos últimos anos, Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça de Bolsonaro, e João Dória, atual governador de São Paulo e aliado do presidente, foram ali premiados. A Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos ainda mantém em seu portal na internet a informação de que o evento se dará no Museu de História Natural.  

Fonte: veja.abril.com.br/mundo/museu-de-nova-york-rejeita-sediar-premiacao-a-bolsonaro