Oposição pede renúncia do premiê inglês por ter aglomerado em festas na sede do governo – Hora do Povo

Boris Johnson se desculpou por participar da festa, dizendo que imaginava ser um “evento de trabalho” (Morning Star)

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson disse ao parlamento britânico que “assumia a responsabilidade” por participar de uma festa no jardim da sede do governo em Downing Street, em maio de 2020, no auge do lockdown e da pandemia na Inglaterra, e pediu desculpas. Mesmo assim, o líder trabalhista Keir Starmer chamou o premiê a renunciar pois considerou “ridículas” suas desculpas, uma vez que houve não uma, mas uma série de festas em Downing Street, onde fica a sede do governo.

“EVENTO DE TRABALHO”

Johnson deu explicações que não colam muito como a de que “entrou naquele jardim logo após as 18h de 20 de maio de 2020 para agradecer a grupos de funcionários”, mas acreditando implicitamente “que era um evento de trabalho”.

“Em retrospectiva, eu deveria ter mandado todos de volta para dentro. Eu deveria ter encontrado outra maneira de agradecer a eles.” O primeiro-ministro disse ainda que retornou ao escritório 25 minutos depois.

Na época, o Reino Unido ainda estava sob seu primeiro bloqueio nacional. Escolas, bares e restaurantes estavam fechados.  Duas pessoas de diferentes famílias podiam a se encontrar apenas ao ar livre e mantendo distância de dois metros. Reuniões presenciais nos locais de trabalho deveriam envolver apenas “participantes absolutamente necessários”.

A admissão de Johnson veio após a repercussão levar até mesmo a convocações à renúncia do cargo de primeiro-ministro. Também se tornou público que o convite para a efeméride orientava cada um a “trazer a própria bebida”.

“Sei que milhões de pessoas neste país fizeram sacrifícios extraordinários nos últimos 18 meses. Conheço a angústia pela qual eles passaram – incapazes de lamentar seus parentes, incapazes de viver suas vidas como querem ou fazer as coisas que amam”, disse Johnson aos parlamentares.

Ele disse que aguardaria os resultados de uma investigação sobre a festa, mas observou: “Aprendi o suficiente para saber que há coisas que simplesmente não acertamos”.

Johnson acrescentou que, mesmo que a festa seja considerada dentro das diretrizes, milhões de pessoas não a verão dessa maneira.

Ele admitiu que muitas pessoas ficarão indignadas e pediu que a funcionária pública sênior, Sue Gray, que atualmente está investigando supostas violações de bloqueio pelo governo, seja autorizada a concluir sua investigação sobre esse e outros eventos.

Há relatos de outras festas em Downing Street e outros departamentos governamentais em pleno bloqueio a que o país inteiro estava submetido no esforço para conter a pandemia.

Uma deputada da oposição ironizou, dizendo que seria mais fácil apurar que dia não houve uma aglomeração festiva nas instalações do governo.

A pandemia causou um enorme impacto no Reino Unido, com dezenas de milhares de mortos e um colapso econômico. O próprio Johnson chegou a pegar Covid e teve de ser internado.

Abaixo, as festinhas sob investigação, segundo uma compilação feita pela Al Jazeera.

15 de maio de 2020: Uma foto mostra Johnson, sua esposa Carrie, o então conselheiro-chefe Dominic Cummings e o secretário particular Martin Reynolds sentados ao redor de uma mesa no jardim de Downing Street compartilhando queijo e vinho. Segundo Johnson, a foto mostra “pessoas no trabalho falando sobre trabalho”. Há quatro outras pessoas reunidas em torno de uma mesa próxima, bebendo, e um grupo maior separado a uma curta distância.

20 de maio de 2020: É aquela que Johnson já admitiu ter participado.

13 de novembro de 2020: Festa de despedida para um membro de sua equipe em sua residência privada em Downing Street, em Londres. Fontes anônimas disseram à BBC que vários membros da equipe participaram da reunião em seu apartamento, junto com a esposa de Johnson.

25 de novembro de 2020: Cerca de duas dúzias de funcionários públicos organizam uma festa improvisada com bebidas no Departamento do Tesouro, semanas após a entrada em vigor de um segundo bloqueio nacional de coronavírus, segundo relatos da mídia citando fontes governamentais não identificadas. O chanceler Rishi Sunak não estava entre os participantes .

27 de novembro de 2020: Johnson supostamente faz outro discurso de despedida para um assessor saindo de Downing Street em um evento lotado.

10 de dezembro de 2020: Festa com duas dezenas de pessoas na cantina do Departamento de Educação, com bebidas e lanches fornecidos. Um funcionário público sênior disse que a festinha havia sido instigada pelo então secretário de Educação, Gavin Williamson.

14 de dezembro de 2020: Festa na sede do Partido Conservador em Westminster, Londres, para o então candidato a prefeito, Shaun Bailey, que foi fotografado ao lado de mais de 20 outras pessoas. Não foi eleito.

16 de dezembro de 2020: A equipe do Departamento de Transportes organiza uma festa em seus escritórios em Londres, no mesmo dia em que a capital entra nas restrições do Nível 3. Segundo o jornal Daily Mirror, quase uma dúzia de pessoas estavam presentes no evento, bebendo e dançando.

18 de dezembro de 2020: Festa de Natal em Downing Street, com 40 a 50 pessoas. Autoridades e funcionários políticos comeram queijo, beberam vinho e trocaram presentes no evento, que durou até tarde da noite. Aconteceu quando Londres ainda estava sob as restrições do Nível 3, em que festas de trabalho estavam proibidas.

Fonte: horadopovo.com.br/oposicao-pede-renuncia-do-premie-ingles-por-ter-aglomerado-em-festas-na-sede-do-governo