Luther King e seu alerta: "Além do Vietnã, tempo de quebrar o silêncio" – Hora do Povo

Com Martin Luther King à frente, faixa em inglês e vietnamita protesta: “Os homens não são nossos inimigos se matamos os homens, com quem viveremos?” (AP)

Recém transcorrido, o feriado nos EUA em homenagem ao reverendo Martin Luther King, mais associado na lembrança de muitos ao seu célebre discurso “Eu Tenho Um Sonho” como expressão maior da luta que derrubou na década de 1960 o apartheid institucionalizado no sul dos EUA e que se desdobra hoje nas grandes lutas contra racismo e desigualdade que persistem, teve como foco a defesa do direito ao voto e, de uma forma mais ampla, da própria democracia, sob ameaça dos trumpistas, negacionistas, xenófobos, supremacistas brancos, fascistas e seus acólitos.

Mas na primeira comemoração após a retirada dos EUA do Afeganistão, com duas décadas de “guerras sem fim” e diante dos recentes arroubos do Pentágono sobre a “volta do confronto de grandes potências”, um orçamento militar que é maior do que o dos dez seguintes países há quase 30 anos e desmantelamento da arquitetura coletiva de segurança no mundo, trazendo de volta a ameaça de hecatombe nuclear, é outro discurso do Dr. King que merece um especial destaque, a pregação “Além do Vietnã: tempo para quebrar o silêncio”.

Foi a primeira vez que Luther King se pronunciou em público contra a Guerra do Vietnã, a que chamou de “sintoma de uma doença muita mais profunda dentro do espírito da América”.

A manifestação de Luther King foi feita apesar da discordância de boa parte da liderança do movimento pelo fim do apartheid, que de forma atrasada supunha que, se “misturasse” os temas, iria romper a aliança com o governo de Lyndon Johnson e dificultar a luta contra o racismo.

Atitude corajosa que lhe custou o isolamento de parte do próprio movimento antirracismo e a hostilização por jornais ditos liberais, como o New York Times.

A pregação foi feita no dia 4 de abril de 1967 na igreja Riverside, em Nova York. Exatamente um ano depois, o Dr. King foi assassinado a tiros em um atentado em Memphis, Tennessee, quando se solidarizava com trabalhadores em greve.

No dia 15 de abril de 1967, ele havia marchado ao lado de dezenas de milhares em Nova York, do Central Park à sede da ONU, pelo fim dos bombardeios dos EUA ao Vietnã, trégua imediata e negociação de paz.

De uma forma didática, o Dr. King explicou como se decidiu a dar esse passo. “Há alguns anos, houve um momento brilhante nessa luta. Parecia que havia uma promessa real de esperança para os pobres, tanto negros quanto brancos, por meio do programa de pobreza. Houve experiências, esperanças, novos começos”.

Então – continuou – veio a escalada no Vietnã, “e eu assisti a esse programa ser interrompido e estripado como se fosse algum brinquedo político ocioso para uma sociedade enlouquecida pela guerra”.

“E eu sabia que a América nunca investiria os fundos ou energias necessários na reabilitação de seus pobres, enquanto aventuras como o Vietnã continuassem a atrair homens, habilidades e dinheiro como um tubo de sucção destrutivo e demoníaco. Portanto, sentia-me cada vez mais compelido a ver a guerra como inimiga dos pobres e a atacá-la como tal”.

Ele denunciou, ainda, como “temos sido repetidamente confrontados com a ironia cruel de assistir meninos negros e brancos nas telas de TV enquanto eles matam e morrem juntos por uma nação que não tem sido capaz de colocá-los juntos nas mesmas escolas. Então, nós os assistimos em solidariedade brutal queimando as cabanas de uma vila pobre, mas percebemos que eles dificilmente viveriam no mesmo quarteirão em Chicago”.

Quando ouvia nas comunidades segregadas questionamentos dos jovens sobre a ação não violenta, diante do que era visto no Vietnã, o Dr. King compreendeu que nunca poderia levantar sua voz contra a violência dos oprimidos nos guetos “sem antes ter falado claramente para o maior provedor de violência do mundo hoje: meu próprio governo”.

“Essa loucura deve cessar. Falo como filho de Deus e irmão dos pobres sofredores do Vietnã. Falo por aqueles cujas terras estão sendo devastadas, cujas casas estão sendo destruídas, cuja cultura está sendo subvertida. Falo pelos pobres na América que estão pagando o preço duplo de esperanças destruídas em casa e lidaram com a morte e corrupção no Vietnã. Falo como cidadão do mundo, pelo mundo, que fica horrorizado com o caminho que tomamos”.

O Dr. King conclamou, ainda, à mudança, de uma sociedade orientada para as coisas para uma sociedade orientada para as pessoas. “Quando máquinas e computadores, motivos de lucro e direitos de propriedade são considerados mais importantes do que as pessoas, os trigêmeos gigantes do racismo, materialismo extremo e militarismo são incapazes de ser conquistados”, advertiu.

“Uma nação que continua ano após ano gastando mais dinheiro em defesa militar do que em programas de elevação social está se aproximando da morte espiritual” [aplausos sustentados]. Ele chamou a “recapturar o espírito revolucionário” e declarar “hostilidade eterna à pobreza, racismo e militarismo”.

E concluiu dizendo que, se for feita a escolha certa, “seremos capazes de apressar o dia, em toda a América e em todo o mundo, quando a justiça rolará como as águas, e a retidão como um riacho poderoso”.

Na íntegra, o discurso de Martin Luther King “Além do Vietnã: tempo de quebrar o silêncio”

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, não preciso fazer uma pausa para dizer como estou muito contente por estar aqui esta noite, e como estou muito contente em vê-lo expressando sua preocupação sobre as questões que serão discutidas esta noite em tão grande número. Também quero dizer que considero uma grande honra compartilhar este programa com o Dr. Bennett, o Dr. Commager e o Rabino Heschel, alguns dos mais ilustres líderes e personalidades de nossa nação.

E, claro, é sempre bom voltar para a Igreja Riverside. Nos últimos oito anos, tive o privilégio de pregar aqui quase todos os anos nesse período, e é sempre uma experiência rica e gratificante vir a esta grande igreja e a este grande púlpito.

Venho a esta grande e magnífica casa de adoração esta noite porque minha consciência não me deixa outra escolha. Uno-me a vocês nesta reunião porque estou profundamente de acordo com os objetivos e o trabalho da organização que nos reuniu, clérigos e leigos preocupados com o Vietnã.

As recentes declarações de seu comitê executivo são os sentimentos do meu próprio coração, e me encontrei de total acordo quando li suas linhas de abertura: “Chega um momento em que o silêncio é uma traição”. Essa hora chegou para nós em relação ao Vietnã.

A verdade dessas palavras é indiscutível, mas a missão para a qual nos chamam é das mais difíceis. Mesmo quando pressionados pelas demandas da verdade interior, os homens não assumem facilmente a tarefa de se opor à política de seu governo, especialmente em tempo de guerra.

Tampouco o espírito humano se move sem grande dificuldade contra toda a apatia do pensamento conformista em seu próprio seio e no mundo circundante. Além disso, quando as questões em questão parecem tão perplexas como costumam ser no caso desse conflito terrível, estamos sempre prestes a ser hipnotizados pela incerteza. Mas devemos seguir em frente.

Alguns de nós, que já começamos a romper o silêncio da noite, descobrimos que o chamado para falar muitas vezes é uma vocação de agonia, mas devemos falar. Devemos falar com toda a humildade apropriada à nossa visão limitada, mas devemos falar.

E devemos nos regozijar também, pois certamente esta é a primeira vez na história de nossa nação que um número significativo de seus líderes religiosos optou por ir além da profecia de um patriotismo suave para os altos motivos de uma firme dissidência baseada nos mandatos da consciência e a leitura da história. Talvez um novo espírito esteja surgindo entre nós. Se for, vamos rastrear seu movimento e orar para que nosso ser interior seja sensível à sua orientação. Pois estamos profundamente necessitados de um novo caminho para além da escuridão que parece tão próxima de nós.

Nos últimos dois anos, ao me empenhar para quebrar a traição de meus próprios silêncios e falar com as chamas do meu próprio coração, ao pedir um afastamento radical da destruição do Vietnã, muitas pessoas me questionaram sobre a sabedoria do meu caminho.

No centro de suas preocupações, essa pergunta muitas vezes se agiganta e se espalha: “Por que o senhor está falando sobre a guerra, Dr. King? Por que você está se juntando às vozes da dissidência?”. “Paz e direitos civis não se misturam”, dizem eles. “Você não está prejudicando a causa de seu povo?”, eles perguntaram.

E quando os ouço, embora muitas vezes entenda a fonte de suas preocupações, fico muito triste, pois tais perguntas significam que os inquiridores não me conheceram realmente, nem meu compromisso ou meu chamado. Na verdade, suas perguntas sugerem que eles não conhecem o mundo em que vivem.

À luz desse trágico mal-entendido, considero de grande importância declarar claramente, e confio de forma concisa, por que acredito que o caminho da Igreja Batista da Dexter Avenue – a igreja em Montgomery, Alabama, onde comecei meu pastorado – leva claramente a este santuário esta noite.

Venho a esta plataforma esta noite para fazer um apelo apaixonado à minha amada nação. Este discurso não é dirigido a Hanói ou à Frente de Libertação Nacional. Não é dirigido à China ou à Rússia. Nem é uma tentativa de ignorar a ambigüidade da situação total e a necessidade de uma solução coletiva para a tragédia do Vietnã. Nem é uma tentativa de fazer do Vietnã do Norte ou da Frente de Libertação Nacional modelos de virtude, nem ignorar o papel que devem desempenhar na resolução bem-sucedida do problema.

Embora ambos possam ter motivos justificáveis para suspeitar da boa fé dos Estados Unidos, a vida e a história dão um testemunho eloqüente de que os conflitos nunca são resolvidos sem confiança de ambos os lados. Esta noite, porém, não desejo falar com Hanói e a Frente de Libertação Nacional, mas sim com meus compatriotas americanos.

Visto que sou um pregador por chamado, suponho que não seja surpreendente que eu tenha sete razões principais para trazer o Vietnã para o campo de minha visão moral. Há no início uma conexão muito óbvia e quase fácil entre a guerra do Vietnã e a luta que eu e outros temos travado na América.

Há alguns anos, houve um momento brilhante nessa luta. Parecia que havia uma promessa real de esperança para os pobres, tanto negros quanto brancos, por meio do programa de pobreza. Houve experiências, esperanças, novos começos.

Então veio o crescimento no Vietnã, e eu assisti a esse programa ser interrompido e estripado como se fosse algum brinquedo político ocioso para uma sociedade enlouquecida pela guerra. E eu sabia que a América nunca investiria os fundos ou energias necessários na reabilitação de seus pobres, enquanto aventuras como o Vietnã continuassem a atrair homens, habilidades e dinheiro como um tubo de sucção destrutivo e demoníaco. Portanto, sentia-me cada vez mais compelido a ver a guerra como inimiga dos pobres e a atacá-la como tal.

Talvez um reconhecimento mais trágico da realidade tenha ocorrido quando ficou claro para mim que a guerra estava fazendo muito mais do que destruir as esperanças dos pobres em casa. Enviava seus filhos, irmãos e maridos para lutar e morrer em proporções extraordinariamente altas em relação ao resto da população.

Estávamos levando os jovens negros segregados por nossa sociedade e mandando-os a 16 mil quilômetros de distância para garantir liberdades no sudeste da Ásia que eles não haviam encontrado no sudoeste da Geórgia e no leste do Harlem.

Portanto, temos sido repetidamente confrontados com a ironia cruel de assistir meninos negros e brancos nas telas de TV enquanto eles matam e morrem juntos por uma nação que não tem sido capaz de colocá-los juntos nas mesmas escolas.

Então, nós os assistimos em solidariedade brutal queimando as cabanas de uma vila pobre, mas percebemos que eles dificilmente viveriam no mesmo quarteirão em Chicago. Não poderia ficar calado diante de uma manipulação tão cruel dos pobres.

Minha terceira razão se move para um nível de consciência ainda mais profundo, pois surge de minha experiência nos guetos do Norte nos últimos três anos, especialmente nos últimos três verões. Enquanto caminhava entre os jovens desesperados, rejeitados e raivosos, disse a eles que coquetéis molotov e rifles não resolveriam seus problemas. Tentei oferecer a eles minha mais profunda compaixão, mantendo minha convicção de que a mudança social é mais significativa por meio da ação não violenta.

Mas eles perguntaram, e com razão, “E quanto ao Vietnã?”. Eles perguntaram se nossa própria nação não estava usando doses massivas de violência para resolver seus problemas, para realizar as mudanças que desejava.

Suas perguntas me atingiram, e eu sabia que nunca mais poderia levantar minha voz contra a violência dos oprimidos nos guetos sem antes ter falado claramente para o maior provedor de violência do mundo hoje: meu próprio governo. Pelo bem daqueles meninos, pelo bem deste governo, pelo bem das centenas de milhares que tremem sob nossa violência, não posso ficar em silêncio.

Para aqueles que fazem a pergunta: “Você não é um líder dos direitos civis?” e com isso pretendo me excluir do movimento pela paz, tenho mais uma resposta.

Em 1957, quando um grupo de nós formou a Conferência de Liderança Cristã do Sul, escolhemos como nosso lema: “Para salvar a alma da América”. Estávamos convencidos de que não podíamos limitar nossa visão a certos direitos para os negros, mas afirmamos a convicção de que a América nunca seria livre ou salva de si mesma até que os descendentes de seus escravos fossem completamente soltos das algemas que ainda usam.

De certa forma, estávamos concordando com Langston Hughes, aquele bardo negro do Harlem, que havia escrito antes:

O, sim, eu digo claramente,

América nunca foi a América para mim

E ainda assim eu juro este juramento –

A América será!

Agora deve estar incandescente que ninguém que se preocupe com a integridade e a vida da América hoje pode ignorar a guerra atual. Se a alma da América ficar totalmente envenenada, parte da autópsia deve conter “Vietnã”. Ela nunca pode ser salva enquanto destruir as esperanças dos homens em todo o mundo. É assim que aqueles de nós que ainda estão determinados que “a América será” são conduzidos ao caminho do protesto e da dissidência, trabalhando pela sanidade de nossa terra.

Como se o peso de tal compromisso com a vida e a sanidade da América não bastasse, outro fardo de responsabilidade foi colocado sobre mim em 1964. E não posso esquecer que o Prêmio Nobel da Paz também foi uma comissão, uma comissão para trabalhar mais arduamente do que jamais havia trabalhado para a irmandade dos homens. Este é um chamado que me leva além das lealdades nacionais.

Mas mesmo que não estivesse presente, eu ainda teria que viver com o significado de meu compromisso com o ministério de Jesus Cristo. Para mim, a relação deste ministério com a construção da paz é tão óbvia que às vezes fico maravilhado com aqueles que me perguntam por que estou falando contra a guerra.

Será que eles não sabem que a Boa Nova foi dirigida a todos os homens – aos comunistas e capitalistas, aos seus filhos e aos nossos, aos negros e aos brancos, aos revolucionários e conservadores? Eles se esqueceram de que meu ministério é em obediência àquele que amou seus inimigos tão plenamente que morreu por eles? O que então posso dizer ao vietcongue ou a Castro ou a Mao como ministro fiel deste? Posso ameaçá-los de morte ou não devo compartilhar com eles minha vida?

Finalmente, enquanto tento explicar para você e para mim mesmo a estrada que leva de Montgomery a este lugar, eu teria oferecido tudo o que era mais válido se simplesmente dissesse que devo ser fiel à minha convicção de que compartilho com todos os homens o chamando para ser filho do Deus vivo.

Além da vocação de raça, nação ou credo, está essa vocação de filiação e fraternidade. Porque eu acredito que o Pai está profundamente preocupado, especialmente com Seus filhos sofredores e indefesos e rejeitados, venho esta noite para falar por eles.

Acredito ser este o privilégio e o fardo de todos nós que nos consideramos vinculados por alianças e lealdades mais amplas e profundas do que o nacionalismo e que vão além dos objetivos e posições autodefinidos de nossa nação. Somos chamados a falar pelos fracos, pelos que não têm voz, pelas vítimas de nossa nação, por aqueles que ela chama de “inimigos”, pois nenhum documento de mãos humanas pode tornar esses humanos menos nossos irmãos.

E enquanto eu pondero sobre a loucura do Vietnã e procuro dentro de mim maneiras de entender e responder com compaixão, minha mente vai constantemente para as pessoas dessa península. Não falo agora dos soldados de cada lado, não das ideologias da Frente de Libertação, não da junta de Saigon, mas simplesmente das pessoas que vivem sob a maldição da guerra há quase três décadas contínuas. Penso neles também, porque está claro para mim que não haverá solução significativa até que seja feita alguma tentativa de conhecê-los e ouvir seus gritos quebrados.

Eles devem ver os americanos como libertadores estranhos. O povo vietnamita proclamou sua própria independência em 1954 – ou melhor, em 1945 – após uma ocupação francesa e japonesa combinada e antes da revolução comunista na China. Eles eram liderados por Ho Chi Minh.

Embora tenham citado a Declaração de Independência Americana em seu próprio documento de liberdade, nós nos recusamos a reconhecê-los. Em vez disso, decidimos apoiar a França na reconquista de sua ex-colônia.

Nosso governo sentiu então que o povo vietnamita não estava pronto para a independência, e novamente fomos vítimas da arrogância mortal do Ocidente que envenenou a atmosfera internacional por tanto tempo. Com essa trágica decisão, rejeitamos um governo revolucionário em busca de autodeterminação e um governo estabelecido não pela China – pela qual os vietnamitas não têm grande amor – mas por forças claramente indígenas que incluíam alguns comunistas.

Para os camponeses, esse novo governo significou uma verdadeira reforma agrária, uma das necessidades mais importantes de suas vidas.

Por nove anos após 1945, negamos ao povo do Vietnã o direito à independência. Por nove anos, apoiamos vigorosamente os franceses em seu esforço abortivo para recolonizar o Vietnã. Antes do fim da guerra, estávamos arcando com oitenta por cento dos custos de guerra da França.

Mesmo antes de os franceses serem derrotados em Dien Bien Phu, eles começaram a se desesperar com sua ação imprudente, mas nós não. Nós os encorajamos com nossos enormes suprimentos financeiros e militares a continuar a guerra, mesmo depois de terem perdido a vontade. Em breve estaríamos pagando quase todos os custos dessa trágica tentativa de recolonização.

Depois que os franceses foram derrotados, parecia que a independência e a reforma agrária viriam novamente por meio do Acordo de Genebra. Mas, em vez disso, vieram os Estados Unidos, decididos a que Ho não unificasse a nação temporariamente dividida, e os camponeses observaram novamente enquanto apoiamos um dos ditadores modernos mais cruéis, nosso escolhido, o premier Diem.

Os camponeses assistiram e se encolheram e Diem implacavelmente erradicou toda a oposição, apoiou seus latifundiários extorsionários e se recusou até a discutir a reunificação com o Norte. Os camponeses assistiram enquanto tudo isso era presidido pela influência dos Estados Unidos e, em seguida, por um número crescente de soldados americanos que vieram ajudar a reprimir a insurgência que os métodos de Diem haviam despertado.

Quando Diem foi derrubado, eles podem ter ficado felizes, mas a longa linha de ditadores militares parecia não oferecer nenhuma mudança real, especialmente em termos de sua necessidade de terra e paz.

A única mudança veio da América, à medida que aumentamos nossos compromissos de tropas em apoio a governos que eram singularmente corruptos, ineptos e sem apoio popular.

Enquanto isso, as pessoas liam nossos folhetos e recebiam as promessas regulares de paz, democracia e reforma agrária. Agora eles definham sob nossas bombas e nos consideram, não seus compatriotas vietnamitas, o verdadeiro inimigo.

Eles se movem com tristeza e apatia enquanto os conduzimos da terra de seus pais para campos de concentração onde as necessidades sociais mínimas raramente são satisfeitas. Eles sabem que devem seguir em frente ou serão destruídos por nossas bombas.

Então eles vão, principalmente mulheres, crianças e idosos. Eles observam enquanto envenenamos sua água, enquanto matamos um milhão de acres de suas colheitas. Eles devem chorar enquanto os buldôzeres rugem por suas áreas se preparando para destruir as árvores preciosas.

Eles vagam pelos hospitais com pelo menos vinte vítimas do poder de fogo americano por um ferimento causado pelo vietcongue. Até agora, podemos ter matado um milhão deles, a maioria crianças.

Eles perambulam pelas cidades e veem milhares de crianças, sem teto, sem roupa, correndo em bandos pelas ruas como animais. Eles vêem as crianças degradadas por nossos soldados enquanto imploram por comida. Eles vêem as crianças vendendo suas irmãs aos nossos soldados, solicitando por suas mães.

O que pensam os camponeses ao nos aliarmos aos latifundiários e ao nos recusarmos a colocar qualquer ação em nossas muitas palavras a respeito da reforma agrária? O que eles pensam quando testamos nossas armas mais recentes com eles, assim como os alemães testaram novos medicamentos e novas torturas nos campos de concentração da Europa? Onde estão as raízes do Vietnã independente que afirmamos estar construindo? É entre esses sem voz?

Destruímos suas duas instituições mais queridas: a família e a aldeia. Destruímos suas terras e suas colheitas. Cooperamos no esmagamento da única força política revolucionária não comunista da nação, a Igreja Budista unificada. Apoiamos os inimigos dos camponeses de Saigon. Nós corrompemos suas mulheres e crianças e matamos seus homens.

Agora, resta pouco sobre o que construir, exceto amargura. Em breve, as únicas bases físicas sólidas restantes serão encontradas em nossas bases militares e no concreto dos campos de concentração que chamamos de “aldeias fortificadas”.

Os camponeses podem se perguntar se planejamos construir nosso novo Vietnã em terrenos como estes. Podemos culpá-los por tais pensamentos? Devemos falar por eles e levantar questões que eles não podem levantar. Estes também são nossos irmãos.

Talvez uma tarefa mais difícil, mas não menos necessária, seja falar por aqueles que foram designados como nossos inimigos. O que dizer da Frente de Libertação Nacional, aquele grupo estranhamente anônimo que chamamos de “VC” ou “comunistas”? O que eles devem pensar dos Estados Unidos da América quando perceberem que permitimos a repressão e a crueldade de Diem, o que ajudou a torná-los um grupo de resistência no Sul?

O que acham de termos tolerado a violência que os levou a pegar em armas? Como eles podem acreditar em nossa integridade quando agora falamos de “agressão do Norte” como se nada houvesse mais essencial para a guerra? Como eles podem confiar em nós quando agora os acusamos de violência após o reinado assassino de Diem e os acusamos de violência enquanto despejamos todas as novas armas mortais em sua terra? Certamente devemos compreender seus sentimentos, mesmo se não tolerarmos suas ações. Certamente devemos ver que os homens que apoiamos os pressionaram para a violência. Certamente devemos ver que nossos próprios planos de destruição computadorizados simplesmente diminuem seus maiores atos.

Como eles nos julgam quando nossos funcionários sabem que seus membros são menos de vinte e cinco por cento comunistas e, ainda assim, insistem em dar-lhes o nome geral? O que eles devem estar pensando quando sabem que estamos cientes de seu controle sobre grandes seções do Vietnã, e ainda assim parecemos prontos para permitir eleições nacionais nas quais este governo paralelo político altamente organizado não terá parte?

Eles perguntam como podemos falar de eleições livres quando a imprensa de Saigon é censurada e controlada pela junta militar. E eles certamente estão certos em se perguntar que tipo de novo governo nós planejamos ajudar a formar sem eles, o único partido real em contato real com os camponeses.

Eles questionam nossos objetivos políticos e negam a realidade de um acordo de paz do qual serão excluídos. Suas perguntas são assustadoramente relevantes. Nossa nação está planejando construir sobre o mito político novamente e, em seguida, apoiá-lo no poder de uma nova violência?

Aqui está o verdadeiro significado e valor da compaixão e da não violência, quando nos ajuda a ver o ponto de vista do inimigo, ouvir suas perguntas, saber sua avaliação de nós mesmos. Pois, de sua visão, podemos realmente ver as fraquezas básicas de nossa própria condição e, se formos maduros, podemos aprender, crescer e lucrar com a sabedoria dos irmãos que são chamados de oposição.

O mesmo acontece com Hanói. No Norte, onde nossas bombas agora atingem a terra e nossas minas colocam em perigo os cursos de água, somos recebidos por uma desconfiança profunda, mas compreensível. Falar por eles é explicar essa falta de confiança no mundo ocidental e, especialmente, sua desconfiança nas intenções americanas agora. Em Hanói estão os homens que conduziram esta nação à independência contra os japoneses e os franceses, os homens que buscaram ingressar na Comunidade Francesa e foram traídos pela fraqueza de Paris e a obstinação dos exércitos coloniais. Foram eles que lideraram uma segunda luta contra a dominação francesa a um custo tremendo, e então foram persuadidos a desistir das terras que controlavam até o paralelo 17 como uma medida temporária em Genebra.

Depois eles nos viram conspirar com Diem para evitar eleições que certamente poderiam ter levado Ho Chi Minh ao poder sobre um Vietnã unificado, e perceberam que haviam sido traídos novamente. Quando perguntamos por que eles não saltam para negociar, essas coisas devem ser consideradas.

Além disso, deve ficar claro que os líderes de Hanói consideraram a presença de tropas americanas em apoio ao regime de Diem como a primeira violação militar do Acordo de Genebra em relação às tropas estrangeiras. Eles nos lembram que não começaram a enviar tropas em grande número e mesmo suprimentos para o Sul até que as forças americanas tivessem chegado às dezenas de milhares.

Hanói se lembra de como nossos líderes se recusaram a nos contar a verdade sobre as primeiras aberturas de paz do Vietnã do Norte, como o presidente afirmou que nenhuma existia quando claramente haviam sido feitas. Ho Chi Minh assistiu enquanto a América falava de paz e aumentava suas forças, e agora ele certamente ouviu os rumores internacionais crescentes sobre os planos americanos de uma invasão do norte. Ele sabe que o bombardeio e a colocação de minas que estamos fazendo fazem parte da estratégia tradicional de pré-invasão. Talvez apenas seu senso de humor e ironia possam salvá-lo quando ouve a nação mais poderosa do mundo falando em agressão ao lançar milhares de bombas em uma nação pobre e fraca a mais de oitocentos, ou melhor, a oito mil milhas de distância de suas margens.

Neste ponto, devo deixar claro que, embora tenha tentado dar voz aos sem voz no Vietnã e compreender os argumentos daqueles que são chamados de “inimigos”, estou profundamente preocupado com nossas próprias tropas lá como qualquer outra coisa. Pois me ocorre que o que os estamos submetendo no Vietnã não é simplesmente o processo brutalizante que ocorre em qualquer guerra em que exércitos se enfrentam e procuram destruir. Estamos adicionando cinismo ao processo de morte, pois eles devem saber depois de um curto período de tempo que nenhuma das coisas pelas quais afirmamos estar lutando está realmente envolvida. Em pouco tempo, eles devem saber que seu governo os enviou para uma luta entre os vietnamitas, e os mais sofisticados certamente perceberão que estamos do lado dos ricos e seguros, enquanto criamos um inferno para os pobres.

Certamente essa loucura deve cessar. Devemos parar agora. Falo como filho de Deus e irmão dos pobres sofredores do Vietnã. Falo por aqueles cujas terras estão sendo devastadas, cujas casas estão sendo destruídas, cuja cultura está sendo subvertida. Falo pelos pobres na América que estão pagando o preço duplo de esperanças destruídas em casa e lidaram com a morte e corrupção no Vietnã. Falo como cidadão do mundo, pelo mundo, que fica horrorizado com o caminho que tomamos. Falo como quem ama a América, aos líderes de nossa própria nação: A grande iniciativa nesta guerra é nossa; a iniciativa de detê-lo deve ser nossa.

Esta é a mensagem dos grandes líderes budistas do Vietnã. Recentemente, um deles escreveu estas palavras, e eu cito:

A cada dia que a guerra continua, o ódio aumenta nos corações dos vietnamitas e nos de instinto humanitário. Os americanos estão forçando até mesmo seus amigos a se tornarem seus inimigos. É curioso que os americanos, que calculam com tanto cuidado as possibilidades de vitória militar, não percebam que, no processo, incorrem em profundas derrotas psicológicas e políticas. A imagem da América nunca mais será a imagem da revolução, da liberdade e da democracia, mas a imagem da violência e do militarismo.

Se continuarmos, não haverá dúvidas em minha mente e na mente do mundo de que não temos intenções honrosas no Vietnã. Se não pararmos nossa guerra contra o povo do Vietnã imediatamente, o mundo não terá outra alternativa a não ser ver isso como um jogo horrível, desajeitado e mortal que decidimos jogar. O mundo agora exige uma maturidade da América que talvez não possamos alcançar. Exige que admitamos que erramos desde o início de nossa aventura no Vietnã, que prejudicamos a vida do povo vietnamita. A situação é aquela em que devemos estar prontos para nos desviarmos bruscamente de nossos caminhos atuais. Para expiar nossos pecados e erros no Vietnã, devemos tomar a iniciativa de interromper esta trágica guerra.

Gostaria de sugerir cinco coisas concretas que nosso governo deve fazer para iniciar o longo e difícil processo de nos livrarmos deste conflito de pesadelo:

Número um: acabar com todos os bombardeios no Vietnã do Norte e do Sul.

Número dois: Declare um cessar-fogo unilateral na esperança de que tal ação crie a atmosfera para negociação.

Três: Tomar medidas imediatas para prevenir outros campos de batalha no Sudeste Asiático, reduzindo nossa escalada militar na Tailândia e nossa interferência no Laos.

Quarto: Aceite realisticamente o fato de que a Frente de Libertação Nacional tem apoio substancial no Vietnã do Sul e deve, portanto, desempenhar um papel em quaisquer negociações significativas e em qualquer futuro governo do Vietnã.

Cinco: Estabeleça uma data para a remoção de todas as tropas estrangeiras do Vietnã, de acordo com o Acordo de Genebra de 1954 [aplausos sustentados]

Parte do nosso [aplausos continuam], parte de nosso compromisso contínuo pode muito bem se expressar em uma oferta de concessão de asilo a qualquer vietnamita que teme por sua vida sob um novo regime que incluiu a Frente de Libertação. Então devemos fazer as reparações que pudermos pelos danos que causamos. Devemos providenciar a assistência médica de que tanto necessita, disponibilizando-a neste país se necessário.

Enquanto isso [aplausos], enquanto isso, nós, nas igrejas e sinagogas, temos uma tarefa contínua, enquanto exortamos nosso governo a se desvencilhar de um compromisso vergonhoso. Devemos continuar a elevar nossas vozes e nossas vidas se nossa nação persistir em seus caminhos perversos no Vietnã. Devemos estar preparados para combinar ações com palavras, buscando todos os métodos criativos de protesto possíveis.

Ao aconselharmos os jovens a respeito do serviço militar, devemos esclarecer para eles o papel de nossa nação no Vietnã e desafiá-los com a alternativa da objeção de consciência. [aplausos sustentados] Tenho o prazer de dizer que este é um caminho agora escolhido por mais de setenta alunos em minha própria alma mater, Morehouse College, e eu o recomendo a todos que consideram o curso americano no Vietnã desonroso e injusto. [aplausos]

Além disso, eu encorajaria todos os ministros em idade de recrutamento a desistir de suas isenções ministeriais e buscar o status de objetores de consciência. [aplausos] Estes são os tempos para escolhas reais e não falsas. Estamos no momento em que nossas vidas devem ser colocadas em risco se nossa nação quiser sobreviver à sua própria loucura. Todo homem de convicções humanas deve decidir sobre o protesto que melhor se adapta às suas convicções, mas todos devemos protestar.

Agora, há algo sedutoramente tentador em parar por aí e nos enviar para o que, em alguns círculos, se tornou uma cruzada popular contra a guerra do Vietnã. Eu digo que devemos entrar nessa luta, mas desejo prosseguir agora e dizer algo ainda mais perturbador.

A guerra do Vietnã é apenas um sintoma de uma doença muito mais profunda dentro do espírito americano, e se ignorarmos essa realidade preocupante [aplausos], e se ignorarmos essa realidade preocupante, nos encontraremos organizando comitês de “clérigos e leigos interessados” para a próxima geração. Eles se preocuparão com a Guatemala e o Peru. Eles ficarão preocupados com a Tailândia e o Camboja. Eles estarão preocupados com Moçambique e a África do Sul. Estaremos marchando por esses e uma dúzia de outros nomes e participando de comícios sem fim, a menos que haja uma mudança significativa e profunda na vida e na política americana. [aplausos sustentados] Portanto, tais pensamentos nos levam além do Vietnã, mas não além de nosso chamado como filhos do Deus vivo.

Em 1957, um sensível funcionário americano no exterior disse que lhe parecia que nossa nação estava do lado errado de uma revolução mundial. Durante os últimos dez anos, vimos emergir um padrão de repressão que agora justifica a presença de assessores militares dos EUA na Venezuela. Essa necessidade de manter a estabilidade social para nossos investimentos explica a ação contra-revolucionária das forças americanas na Guatemala. Ele conta por que helicópteros americanos estão sendo usados contra guerrilheiros no Camboja e por que as forças americanas de napalm e Boinas Verdes já estão ativas contra rebeldes no Peru.

É com tanta atividade que as palavras do falecido John F. Kennedy voltam para nos assombrar. Cinco anos atrás, ele disse: “Aqueles que tornam a revolução pacífica impossível, tornarão a revolução violenta inevitável”. [aplausos] Cada vez mais, por escolha ou por acidente, este é o papel que nossa nação tem assumido, o papel daqueles que tornam a revolução pacífica impossível, recusando-se a renunciar aos privilégios e prazeres que vêm dos imensos lucros dos investimentos no exterior.

Estou convencido de que, se quisermos chegar ao lado certo da revolução mundial, nós, como nação, devemos passar por uma revolução radical de valores. Devemos começar rapidamente [aplausos], devemos começar rapidamente a mudança de uma sociedade orientada para as coisas para uma sociedade orientada para as pessoas. Quando máquinas e computadores, motivos de lucro e direitos de propriedade são considerados mais importantes do que as pessoas, os trigêmeos gigantes do racismo, materialismo extremo e militarismo são incapazes de ser conquistados.

Uma verdadeira revolução de valores logo nos fará questionar a equidade e a justiça de muitas de nossas políticas passadas e presentes. Por um lado, somos chamados a bancar o Bom Samaritano na berma da vida, mas isso será apenas um ato inicial. Um dia devemos chegar a ver que toda a estrada de Jericó deve ser transformada para que homens e mulheres não sejam constantemente espancados e roubados enquanto fazem sua jornada na estrada da vida. A verdadeira compaixão é mais do que jogar uma moeda para um mendigo. Vê-se que um edifício que produz mendigos precisa ser reestruturado. [aplausos]

Uma verdadeira revolução de valores logo olhará com desconforto para o contraste gritante entre pobreza e riqueza. Com justa indignação, ele olhará para o outro lado dos mares e verá capitalistas individuais do Ocidente investindo enormes somas de dinheiro na Ásia, África e América do Sul, apenas para retirar os lucros sem nenhuma preocupação com a melhoria social dos países, e dizer , “Isso não é justo.” Ele analisará nossa aliança com a pequena nobreza rural da América do Sul e dirá: “Isso não é justo”. A arrogância ocidental de sentir que tem tudo a ensinar aos outros e nada a aprender com eles não é justa.

Uma verdadeira revolução de valores colocará as mãos na ordem mundial e dirá da guerra: “Esta forma de resolver as diferenças não é justa”. Esse negócio de queimar seres humanos com napalm, de encher as casas de nossa nação de órfãos e viúvas, de injetar drogas venenosas de ódio nas veias de pessoas normalmente humanas, de mandar homens para casa de campos de batalha escuros e sangrentos, deficientes físicos e psicologicamente perturbados, não pode ser reconciliado com sabedoria, justiça e amor.

Uma nação que continua ano após ano gastando mais dinheiro em defesa militar do que em programas de elevação social está se aproximando da morte espiritual. [aplausos sustentados]

A América, a nação mais rica e poderosa do mundo, pode muito bem liderar essa revolução de valores. Não há nada, exceto um desejo trágico de morte para nos impedir de reordenar nossas prioridades para que a busca da paz tenha precedência sobre a busca da guerra. Não há nada que nos impeça de moldar um status quo recalcitrante com mãos machucadas até que o tenhamos transformado em uma irmandade.

Esse tipo de revolução positiva de valores é nossa melhor defesa contra o comunismo. [aplausos] Guerra não é a resposta. O comunismo nunca será derrotado pelo uso de bombas atômicas ou armas nucleares. Não nos juntemos àqueles que gritam guerra e, por meio de suas paixões equivocadas, exortam os Estados Unidos a renunciar à sua participação nas Nações Unidas. Estes são dias que exigem moderação sábia e moderação calma. Não devemos nos envolver em um anticomunismo negativo, mas sim em um impulso positivo para a democracia [aplausos], percebendo que nossa maior defesa contra o comunismo é a ação ofensiva em nome da justiça. Devemos, com ação positiva, procurar remover as condições de pobreza, insegurança e injustiça, que são o solo fértil em que a semente do comunismo cresce e se desenvolve.

Estes são tempos revolucionários. Em todo o mundo, os homens estão se revoltando contra os velhos sistemas de exploração e opressão e, das feridas de um mundo frágil, novos sistemas de justiça e igualdade estão nascendo. As pessoas descalças e sem camisa da terra estão se levantando como nunca antes. As pessoas que estavam sentadas nas trevas viram uma grande luz. Nós, no Ocidente, devemos apoiar essas revoluções.

É um fato triste que, por causa do conforto, complacência, um medo mórbido do comunismo e nossa tendência a se ajustar à injustiça, as nações ocidentais que deram início a tanto do espírito revolucionário do mundo moderno tornaram-se agora os arqui-anti-revolucionários. Isso tem levado muitos a sentir que apenas o marxismo tem um espírito revolucionário. Portanto, o comunismo é um testemunho contra nosso fracasso em tornar a democracia real e levar adiante as revoluções que iniciamos.

Nossa única esperança hoje está em nossa capacidade de recapturar o espírito revolucionário e sair para um mundo às vezes hostil, declarando hostilidade eterna à pobreza, ao racismo e ao militarismo. Com este poderoso compromisso, devemos desafiar corajosamente o status quo e os costumes injustos e, assim, acelerar o dia em que “todos os vales serão exaltados e todas as montanhas e colinas serão rebaixadas [Público:] (Sim); o torto será endireitado, e os lugares ásperos, planos. ”

Uma verdadeira revolução de valores significa, em última análise, que nossas lealdades devem se tornar ecumênicas, em vez de seccionais. Cada nação deve agora desenvolver uma lealdade absoluta à humanidade como um todo, a fim de preservar o melhor em suas sociedades individuais.

Este chamado para uma comunhão mundial que eleve a preocupação com a vizinhança além de sua tribo, raça, classe e nação é na realidade um chamado para um amor incondicional e abrangente por toda a humanidade. Este conceito frequentemente mal interpretado, este conceito frequentemente mal interpretado, tão prontamente rejeitado pelos Nietzsches do mundo como uma força fraca e covarde, tornou-se agora uma necessidade absoluta para a sobrevivência do homem.

Quando falo de amor, não estou falando de uma resposta sentimental e fraca. Não estou falando dessa força que é apenas bosh emocional. Estou falando daquela força que todas as grandes religiões viram como o princípio unificador supremo da vida.

O amor é de alguma forma a chave que destranca a porta que leva à realidade final. Esta crença hindu-muçulmana-cristã-judaica-budista sobre a realidade última é lindamente resumida na primeira epístola de São João: “Amemo-nos uns aos outros (Sim), pois o amor é Deus. (Sim) E todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor. . . . Se amarmos uns aos outros, Deus habita em nós e seu amor é aperfeiçoado em nós.” Esperamos que esse espírito se torne a ordem do dia.

Não podemos mais adorar o deus do ódio ou nos curvar diante do altar da retaliação. Os oceanos da história são turbulentos pelas ondas cada vez maiores de ódio. A história está repleta de destroços de nações e indivíduos que seguiram esse caminho autodestrutivo de ódio. Como diz Arnold Toynbee: “O amor é a força suprema que faz a escolha salvadora da vida e do bem contra a escolha condenatória da morte e do mal. Portanto, a primeira esperança em nosso inventário deve ser a esperança de que o amor terá a última palavra.”

Estamos agora confrontados com o fato, meus amigos, de que amanhã é hoje. Nós somos confrontados com a urgência feroz de agora. Nesse enigma que se desenrola da vida e da história, existe o que se chama de ser tarde demais. A procrastinação ainda é uma ladra de tempo. A vida muitas vezes nos deixa nus, nus e deprimidos com uma oportunidade perdida.

A maré nos assuntos dos homens não permanece na enchente – ela diminui. Podemos clamar desesperadamente por tempo para fazer uma pausa em sua passagem, mas o tempo é inflexível a cada súplica e segue em frente. Sobre os ossos branqueados e resíduos misturados de numerosas civilizações estão escritas as palavras patéticas: “Tarde demais”. Existe um livro invisível da vida que registra fielmente nossa vigilância ou negligência. Omar Khayyam está certo: “O dedo que se move escreve, e quem escreve segue em frente”.

Ainda temos uma escolha hoje: coexistência não violenta ou coaniquilação violenta. Devemos passar da indecisão para a ação. Devemos encontrar novas maneiras de falar pela paz no Vietnã e pela justiça em todo o mundo em desenvolvimento, um mundo que faz fronteira com nossas portas. Se não agirmos, certamente seremos arrastados pelos longos, escuros e vergonhosos corredores do tempo reservados para aqueles que possuem poder sem compaixão, poder sem moralidade e força sem visão.

Agora vamos começar. Agora, vamos nos dedicar novamente à longa e amarga, mas bela, luta por um novo mundo. Este é o chamado dos filhos de Deus, e nossos irmãos aguardam ansiosamente por nossa resposta.

Devemos dizer que as chances são muito grandes? Devemos dizer a eles que a luta é muito difícil? Nossa mensagem será que as forças da vida americana militam contra sua chegada como homens de pleno direito, e enviamos nosso mais profundo pesar?

Ou haverá outra mensagem – de saudade, de esperança, de solidariedade com seus anseios, de compromisso com sua causa, custe o que custar? A escolha é nossa e, embora possamos preferir que seja diferente, devemos escolher neste momento crucial da história humana.

Como aquele nobre bardo de ontem, James Russell Lowell, afirmou eloquentemente:

Uma vez para cada homem e nação chega o momento de decidir,

Na luta da verdade e da falsidade, para o lado bom ou mau;

Uma grande causa, o novo Messias de Deus oferecendo a cada um a flor ou a praga,

E a escolha dura para sempre entre aquela escuridão e aquela luz.

Embora a causa do mal prospere, esta verdade por si só é forte

Embora suas porções sejam o cadafalso, e sobre o trono estejam erradas

No entanto, esse cadafalso balança o futuro, e por trás do obscuro desconhecido

Deus está dentro da sombra, vigiando acima de si mesmo.

E se apenas fizermos a escolha certa, seremos capazes de transformar esta elegia cósmica pendente em um salmo criativo de paz. Se fizermos a escolha certa, seremos capazes de transformar as discórdias estridentes de nosso mundo em uma bela sinfonia de fraternidade. Se apenas fizermos a escolha certa, seremos capazes de apressar o dia, em toda a América e em todo o mundo, quando a justiça rolará como as águas, e a retidão como um riacho poderoso. [aplausos sustentados]

Fonte: horadopovo.com.br/luther-king-e-seu-alerta-alem-do-vietna-tempo-de-quebrar-o-silencio