"Calem as armas!"

O Papa Francisco foi recebido com entusiasmo em Bagdad, esta sexta-feira, no arranque de uma visita inédita de três dias ao Iraque. Nas palavras de Francisco, esta peregrinação é “um dever para com uma terra martirizada há muitos anos” e o primeiro dia ficou marcado por apelos à tolerância, ao diálogo e ao fim do conflito armado.

Andrew Medichini/AP
Andrew Medichini/AP
Cristãos preencheram as ruas de Bagdad, no percurso do Papa, apesar da pandemiaAndrew Medichini/AP

No palácio presidencial, na zona mais fortificada de Bagdad, o chefe da Igreja Católica entregou aos iraquianos o primeiro recado. “Calem as armas! Limite-se a sua distribuição – aqui e em todo o lado”, afirmou Francisco, sublinhando que “a religião, pela sua natureza, deve estar ao serviço da paz e da fraternidade”.

O Papa defendeu que “o nome de Deus não pode ser usado para justificar actos de homicídio, exílio, terrorismo e opressão”. Palavras em defesa também da minoria cristã no Iraque, violentamente perseguida pelo Daesh e discriminada por parte da maioria xiita muçulmana.

Francisco quer plantar a semente do diálogo inter-religioso no Iraque. Já se encontrou com líderes de outras confissões, mas o ponto alto, está guardado para este sábado, dia em que se reúne com o ayatollah Ali al-Sistani, líder xiita, procurando com isso promover melhores relações entre cristãos e muçulmanos. Os cristãos no Iraque têm enfrentado grandes problemas desde 2003 e a comunidade diminuiu 90% nos últimos 15 anos.

Fonte: pt.euronews.com/2021/03/05/calem-as-armas