Mágico indiano desaparece em rio ao tentar imitar Houdini

O mágico indiano Chanchal Lahiri desapareceu em um rio ao tentar imitar um truque do ilusionista húngaro Harry Houdini, pulando acorrentado e preso por cadeados na água.

Lahiri deveria se soltar das correntes e nadar até a costa, mas nunca voltou à superficie do rio Hooghly, no estado de Bengala Ocidental. Espectadores que assistiam ao show imediatamente chamaram a polícia, que começou as buscas poucos minutos depois.

Conhecido pelo nome artístico Mandrake, Lahiri foi levado até o meio do rio por um bote. Envolto em correntes presas por seis cadeados, ele era acompanhado por duas embarcações de emergência quando foi jogado na água por três assistentes, com dezenas de pessoas acompanhando a exibição em uma ponte.

Depois de horas de busca, a polícia, em parceria com um equipe de mergulhadores, disse não ter encontrado nenhum sinal de Lahiri. Uma autoridade afirmou ao jornal indiano Hindustan Times que o mágico não será declarado morto até que seu corpo seja encontrado.

Jayanta Shaw, fotógrafo de um jornal local, estava registrando a tentativa de truque de Lahiri. Ele disse à BBC que conversou com o ilusionista pouco antes dele começar o espetáculo. “Eu perguntei por que ele arriscava sua vida pela mágica. Ele sorriu e me disse: ‘Se eu fizer direito, é mágica. Se eu cometer um erro, se torna uma tragédia’.”

Lahiri ainda contou a Shaw que queria reproduzir o truque popularizado por Houdini para “reacender o interesse das pessoas pela mágica.”

Esta não foi a primeira vez que o indiano tentou realizar um truque submarino. Há mais de 20 anos, no mesmo rio, ele foi mergulhado dentro de uma caixa de vidro, conseguindo escapar ileso. Shaw também estava presente no espetáculo bem sucedido. “Eu jamais pensei que ele não conseguiria sair da água desta vez”, completou o fotógrafo.

Houdini

Harry Houdini era o nome artístico de Erik Weiss, nascido em março de 1874 na Hungria. Admirador do mágico francês Jean Eugene Robert-Houdin, considerado um precursor dos mágicos ilusionistas, ele trabalhou por anos como agente secreto, espionando os reis e líderes políticos da Europa para os governos americano e britânico.

Ele conseguia informações confidenciais durante suas apresentações como ilusionista para chefes de Estado, como o czar russo Nicholas. Mas, apesar das tarefas paralelas, o trabalho de Houdini foi reconhecido pela ousadia das performances, envolvendo várias situações de vida ou morte.

Para conseguir escapar de caixões enterrados na terra ou das correntes dentro de tanques de água, o mágico se submetia diariamente a treinos intensos. Ele aprendeu a ser ambidestro para poder trabalhar com a habilidade das duas mãos e tinha uma banheira em casa, onde ficava horas afundado no gelo para aprender a suportar a dor.

Além disso, Houdini era um grande corredor e um boxeador amador, o que lhe dava a resistência e a força necessária para realizar acrobacias durante as performances mais difíceis.

O filme biográfico do ilusionista, lançado em 1953, deu origem a lendas sobre a morte do húngaro, em que ele teria morrido afogado em um tanque durante uma de suas performances.

Na verdade, Houdini morreu de apendicite em outubro de 1926, aos 52 anos de idade, depois de uma semana internado em um hospital de Detroit, nos Estados Unidos.

Fonte: veja.abril.com.br/mundo/magico-indiano-desaparece-em-rio-ao-tentar-imitar-houdini