Liga espanhola divulga áudio de erro do VAR em lance com Vinícius Junior

O Comitê Técnico de Árbitros da Espanha realizou nesta terça-feira, 15, um balanço da utilização do árbitro assistente de vídeo (VAR, na sigla em inglês) no primeiro turno do Campeonato Espanhol. De acordo com Velasco Carballo, presidente da entidade, a tecnologia foi aprovada com louvor, com mais de 90% de acerto em decisões sobre pênaltis, cartões amarelos e impedimentos. Pregando transparência, o Comitê ainda disponibilizou o áudio de algumas jogadas mais polêmicas, como um pênalti do goleiro Rulli, da Real Sociedad, em Vinícius Junior, do Real Madrid, ignorado pelos juizes.

Na imagem, é possível ouvir o árbitro, José Luís Munuera Montero, dizendo à equipe do VAR que viu toque na bola do goleiro. O chefe do VAR então, diz “quero ver, quero ver. Devagar, devagar”. Ele pede que o árbitro pare o jogo caso a bola saia, o que não ocorreu. Ele então crava: “Nada, nada… Tudo OK, José Luís, tudo OK, sigamos para frente”, apesar de as imagens terem mostrado que o goleiro Rulli derrubou o brasileiro.

Segundo Velasco Carballo, ao exibir esse e outros diálogos, a entidade busca comprovar que, todos os lances de uma partida são revisados – ele salienta que nunca cabe ao árbitro “chamar o VAR”, ele deve tomar sua decisão em campo e apenas esperar um possível pedido de revisão. A International Board, órgão que rege a arbitragem mundial, é contra a divulgação dos áudios do VAR, mas como o protocolo ainda não é oficial, a entidade espanhola preferiu exibi-los para diminuir as polêmicas.

Sem especificar lances, o Comitê informou que o VAR errou na marcação de 7 de 397 lances de pênaltis (98% de acerto), mas acredita que não há como evitar a discussão sobre lances interpretativos. “Erro zero é impossível, assim como a unificação absoluta de critérios”, disse Carballo.

Por fim, disse não acreditar em uma “campanha midiática” contra a tecnologia no futebol. “O VAR é a mudança mais importante da história do futebol. É muito sério. Como podemos pedir que atletas, treinadores e árbitros se adaptem a uma mudança tão brutal? Deveríamos estar orgulhosos dos números que apresentamos. O que há é uma campanha de adaptação ao VAR.”