Homenagem a Marighella tem até “vigia de banner” contra bolsonaristas

Uma quarta-feira ideologicamente agitada nos corredores da Câmara. Numa das comissões, o general Augusto Heleno, do GSI, prestava contas de sua controversa declaração sobre o AI-5 de Eduardo Bolsonaro.

Em outra ponta, na Comissão de Legislação Participativa, corria uma homenagem ao cinquentenário de morte de Carlos Marighella, comandante da ALN e principal nome da luta armada no país.

Banners com imagens de Marighella exibiam várias passagens de sua vida. Mas um desses, que estava do lado de fora e na porta de entrada da comissão, onde há intenso movimento de deputados, servidores, visitantes e lobistas diversos, e que anunciava o evento, precisou de uma atenção especial. O pessoal da esquerda designou um de seus para vigiá-lo e evitar atos de bolsonaristas irritados com a imagem do velho comunista.

Em meia hora, Radar constatou dois momentos de indignação: uma pessoa começou a fazer uma live, atacando Marighella e enaltecendo Bolsonaro: “acabou esse tempo”.  Outro, um agente penal que estava na Câmara em lobby para a carreira, tentou fazer uma foto com o sinal de prisão em frente a foto. Foi contido. Houve discussão e um segurança da Câmara teve que afastar o rapaz.

Carlos Augusto Marighella, filho do líder comunista, estava no evento.

Fonte: veja.abril.com.br/blog/radar/homenagem-a-marighella-tem-ate-vigia-de-bunner-contra-bolsonaristas