O empresário Rubens Menin está preocupado com o Brasil. E é bom escutá-lo – BizNews Brasil :: Notícias de Fusões e Aquisições de empresas

Rubens Menin, 64 anos, é um dos empresários brasileiros com maior facilidade de criar negócios bilionários. Basta ver a quantidade de empresas que ele fundou, levando-as à bolsa, e o tamanho de cada uma delas.

Sua família está por trás da construtora MRV, avaliada em R$ 9,56 bilhões; o Banco Inter, com valor de mercado de R$ 16,9 bilhões; e a Log, que vale R$ 3,53 bilhões na B3. Além dessas companhias, Menin criou uma empresa de construção nos Estados Unidos, a AHS.

E, como um empreendedor em série, tem outras companhias que podem, em breve, debutar no mercado de capitais. Uma delas é a Urba, focada em loteamentos e que conta com um land bank de R$ 2,7 bilhões.

Menin também é o principal acionista e investidor da CNN Brasil e, ultimamente, tem feito aportes em startups via fundos de venture capital. “Essa indústria está amadurecendo muito no Brasil e esses caras são melhores do que a gente em detectar as startups”, diz Menin ao NeoFeed.

Fora isso, ele atua em movimentos como Você Muda o Brasil, formado por empresários para apoiar governos com ideias bem-sucedidas na iniciativa privada, e o Movimento Bem Maior fundado por ele junto com Elie Horn, da Cyrela, e Eugênio Mattar, da Localiza, para incentivar a filantropia no País.

Em entrevista ao NeoFeed, o empresário se diz preocupado com as reformas que estão paradas, principalmente a administrativa. Ele revela o temor em relação a volta da inflação, do aumento da taxa de juros e diz que o Brasil não pode perder outra janela de oportunidade.

“Se a inflação voltar, os juros vão subir. A população não está entendendo o risco que está correndo”, diz ele. Acompanhe:

Como você está enxergando o atual momento do Brasil?Tem um negócio que acredito muito, algo que sempre martelou minha cabeça. No Brasil, tínhamos um problema muito sério de taxa de inflação. O ano de 1994 foi muito importante para a gente no controle da inflação e achamos que a guerra estava ganha. Tínhamos dois inimigos e achávamos que tínhamos apenas um. O outro inimigo eram os juros. Os juros são tão nocivos quanto a inflação. Os juros são como um carrapato, que fica sugando a economia. Em 2000, tínhamos uma previsão econômica de que em 2020, ou seja, hoje, o Brasil seria a quarta economia do mundo. Mas nada disso aconteceu.

Por quê?Fala-se que o Brasil não investiu em educação, que é um País com muitas desigualdades, mas é impossível fazer as coisas sem ser em paralelo. Pega o exemplo da Coreia do Sul, um país vencedor. Fala-se que a educação foi o grande motor do desenvolvimento econômico do país. Não foi só a educação. Foi em paralelo, as coisas andam juntas. A economia puxa a educação e a educação puxa a economia. Se um estiver manco, não puxa o outro. Nós, aqui no Brasil, jogamos 20 anos fora. Agora estão falando do Brasil como a quinta maior economia do mundo em 2050. Tudo isso porque o Brasil é um país continental, tem agronegócio, potencial turístico, energia, infraestrutura para ser feita. Mas nada disso funciona se a taxa de juros estiver alta. E a população não está ligada nisso.

Você acredita que a taxa de juros vai subir?O que está me deixando preocupado atualmente é que, se esse conjunto de reformas que começaram a ser feitas, com a aprovação da trabalhista e a da previdência, não continuarem, com a administrativa, as privatizações e a tributária, vamos perder mais uma década. Conseguimos chegar ao menor patamar de juros da história, mas não existe mágica. Se a inflação voltar, os juros vão subir. A população não está entendendo o risco que está correndo. Sem contar a importância dos juros baixos para o governo. No fundo, temos que diminuir o tamanho do Estado. Em todos os países do mundo, o Estado foi perdendo a capacidade de investir. Essa fórmula acabou.

“Temos que diminuir o tamanho do Estado. Em todos os países do mundo, o Estado foi perdendo a capacidade de investir. Essa fórmula acabou”

O que falta para o País diminuir o tamanho do Estado? Está faltando conversa entre o Legislativo e o Executivo?A população brasileira, quando conhece uma coisa, luta. Vamos pegar o caso da Previdência. No governo Temer, os deputados falavam que, se eles lutassem pela Previdência, não seriam reeleitos. E aconteceu o contrário. Aqueles que não lutaram não foram reeleitos. A população entendia que a reforma da Previdência tinha que ser feita porque tinha uma casta de beneficiados no Brasil. Da mesma forma, os políticos brasileiros têm que entender que eles não vão perder voto com a reforma administrativa. A população precisa ser bem educada de que todo mundo paga essa conta dos privilégios. O político tem medo de tomar medidas, pensa em preservar. Tanto é que o presidente Bolsonaro não teve coragem de lançar essa reforma administrativa.

Por que você acha não teve coragem?O Executivo está fraco, não é uma reforma popular. O Bolsonaro pode perder as eleições se não fizer as reformas que a população espera. Se ele acha que vai chegar em 2022 mais forte, acho que ele não vai. Se ele não fizer essas reformas, vai contra a agenda dele. O que eu acho é que o populismo é uma coisa muito ruim e a América Latina é embrenhada de populismo. Esse momento é o de fazer as reformas que o Estado brasileiro necessita para a gente ter aquela competitividade. O mundo não está para brincadeira, o mundo está muito veloz. O gap entre o Brasil e o mundo desenvolvido aumentou. Mas, se fizermos tudo isso, todas as reformas, o Brasil terá um espaço de crescimento fantástico, muito maior do que Alemanha, França, Inglaterra e do que o próprio Estados Unidos. Nosso País será sensacional. Precisamos melhorar o ambiente de negócios.

Mas você acredita que o Executivo e o Legislativo batem muita cabeça? Aliás, você chegou a escrever que falta união e que era preciso pacificação política para o País crescer. Ainda acha isso?Sem dúvida. Os extremos são pequenos, mas muito barulhentos. O centro amplo fica amedrontado. Temos que unir o Brasil ao redor desses ideais para termos essas reformas emergenciais. Mas esse tem sido um trabalho muito lento. Estamos chegando em dezembro e coisa não evoluiu. O Rodrigo Maia queria fazer, mas não conversou com o Bolsonaro. O presidente ficou tímido. A reforma tributária é necessária, mas é muito complexa, precisa de discussão na sociedade, já a administrativa não necessita. Não tem que ter medo de enfrentar os tabus. Agora estamos vendo essa PEC Emergencial, tem que ser votada. E tem que mostrar para a população, igual foi feito na campanha da Previdência, que é interesse de todos.

“O Bolsonaro pode perder as eleições se não fizer as reformas que a população espera. Se ele acha que vai chegar em 2022 mais forte, acho que ele não vai”

A MRV, vende imóveis populares, atua em um setor muito sensível na questão do emprego. Não preocupa o fim do auxílio emergencial que está segurando a economia até agora?O auxílio emergencial vai acabar e a economia tem de reagir. Acho que vai ter essa passagem, se nenhuma bobagem acontecer. A votação da PEC Emergencial é crucial para o Brasil. Se os políticos não estragarem muito a gente, essa transição econômica vai acontecer. Tanto é que a previsão quase unânime é a de que o Brasil vai crescer 3% ou 4% no ano que vem.

Você se considera um fazedor de negócios?Eu acredito muito no potencial do Brasil. Pega, por exemplo, o caso da CNN. O Brasil era o maior país do mundo onde a CNN não estava e para ela era muito importante estar aqui. A CNN é um caso atípico porque acho que os ganhos indiretos são muito maiores do que os ganhos diretos. O grande trabalho da CNN é, de certa forma, educar a população e ela tem conseguido fazer isso. O papel da imprensa é fundamental num país desenvolvido. Você não tem um país desenvolvido sem uma imprensa organizada e forte. Lógico que tem que dar dinheiro, mas tem uma parte ideológica.

Quais outros negócios têm grande potencial no seu grupo empresarial?Temos um filhote agora que é a Urba. O Brasil é um País que tem maior percentual de população urbana do mundo, um negócio maluco. Criaram-se verdadeiras panelas de pressão. São Paulo é uma panela de pressão, o Rio de Janeiro é uma panela de pressão. O potencial do Brasil para esse mercado de loteamentos é muito grande. O Brasil é um país jovem, a grande massa vai precisar de casa própria e o Brasil chegou no limite da urbanização. A gente ia abrir o capital da Urba, mas resolvemos adiar porque o mercado deu uma patinada. Mas achei bom, vai abrir uma nova janela e estaremos mais preparados para isso. Diferente da construção civil, esse mercado da Urba ainda tem pouca competição e o capital é muito intensivo. Essa é a vantagem da Urba.

“Se os políticos não estragarem muito a gente, essa transição econômica vai acontecer”

Qual é o tamanho da Urba?Temos um land bank de R$ 2,7 bilhões, mas, comparado com a MRV, que tem R$ 50 bilhões de land bank, não é grande. Mas estamos crescendo. Um dos objetivos do IPO seria investir na compra de terrenos. Porém, temos capacidade de fazer isso sem o IPO.

Aliás, você tem três empresas listadas em bolsa: a MRV, o Banco Inter e a Log. Na sua opinião, qual é a vantagem de listar em bolsa?O mercado de capitais é um negócio sensacional. Listar uma empresa é um amadurecimento muito grande para toda empresa. Quando uma empresa é listada, o time da companhia cresce absurdamente em qualidade. O mercado de capitais é uma forma de perenizar uma empresa. Sou considerado controlador, mas não tenho controle, não tenho 51% de nenhuma empresa. Se eu não estiver entregando, com certeza terei dificuldades pela frente. O mercado hoje é muito mais ativista do que era no passado.

Como as empresas do grupo se comportaram nessa pandemia?Vamos entregar mais em todas as empresas, apesar da pandemia e apesar da queda do PIB.

A que se deve isso?Foram vários casos. Vamos pegar o caso do Banco Inter, que é um banco digital. O processo de digitalização foi empurrado, foi um vento de popa na digitalização. Tenho uma sogra de 91 anos de idade que agora pede comida no iFood, pô! A compra da casa própria, por conta dos juros mais baixos, foi uma loucura. No caso da Log, o e-commerce está bancando a empresa. A Luggo, de aluguel, está indo excepcionalmente bem. Foi uma série de fatores.

“Quando uma empresa é listada, o time da companhia cresce absurdamente em qualidade”

O Brasil está pronto para essa digitalização?No ano passado, fiz um curso com o meu filho Rafael na Singularity, nos Estados Unidos, e uma das aulas me marcou muito. Antigamente, você falava que a população era rica pela quantidade de carne que comia, per capita, por ano; depois passou a ser a quantidade de energia e hoje a curva certa é a quantidade de bytes per capita. Isso está chegando no Brasil, está chegando rápido. Um fermento digital para incrementar uma nova economia. Vamos todos surfar nisso. O Brasil vai ser um expoente digital, com certeza.

Você investe em startups?A gente pensou muito nisso. Fiquei uma semana em Israel e fiquei desorientando com que está acontecendo lá em termos de startups. Chegamos a pensar em investir diretamente, mas decidimos fazer investimentos indiretos, via fundos. Essa indústria está amadurecendo muito no Brasil e esses caras são melhores do que a gente em detectar as startups.

Estamos vendo um processo de consolidação grande em várias indústrias neste ano. Muitos M&As estão acontecendo. O grupo está olhando para isso?Estamos. Sempre fomos muito de crescimento orgânico, mas agora eu vejo que está na hora do M&A. Nessa evolução exponencial podem faltar pedaços para a gente. O Banco Inter, por exemplo, já anunciou o que vai fazer aí para frente, é público.

Mas isso vai se estender para outras empresas do grupo?Provavelmente, sim. Essa é uma tendência mundial. As empresas de ponta têm de fazer M&A.

“As empresas de ponta têm de fazer M&A”

Você se preocupa com uma segunda onda de contaminação de Covid-19?Preocupa demais, a medicina melhorou muito, o índice de mortalidade caiu, mas ainda é uma doença muito séria e que tem uma interação na sociedade muito forte. Mas, por outro lado, estou acreditando muito em uma vacina.

Fonte: Neofeed

Fonte: www.biznews.com.br/o-empresario-rubens-menin-esta-preocupado-com-o-brasil-e-e-bom-escuta-lo