Investir no início de uma startup é sempre melhor? – BizNews Brasil :: Notícias de Fusões e Aquisições de empresas

A teoria convencional no mundo do capital de risco é que investir o mais cedo possível produz os maiores retornos.

Mas nem sempre é esse o caso, de acordo com um novo relatório da Manhattan Venture Partners, uma empresa de investimentos focada em empresas privadas em estágio avançado.

Na verdade, de acordo com a análise da empresa de retornos anualizados sobre investimentos pré-IPO e IPO na última década, os investimentos em estágio posterior superaram os investimentos em estágio inicial. Portanto, embora haja o direito de se gabar de ser um dos primeiros investidores em uma empresa como Snowflake, Uber ou Airbnb, você não está necessariamente ganhando mais dinheiro do que os investidores que chegaram mais tarde ao jogo.

O fato de que os retornos dos investimentos em estágio posterior superaram os dos investimentos em estágio anterior na última década foi o que mais me chamou a atenção no relatórios.

O estudo também descobriu que investir em rodadas pré-IPO de empresas de tecnologia gerou melhores retornos do que investir no IPO, que produziu retornos mais baixos.

Para o relatório, a consultoria analisou todos os IPOs de tecnologia, mídia e telecomunicações de 2011 a 2021. Ele não incluiu fusões SPAC em sua análise de 147 empresas em vários verticais.

O resultado da análise é a antítese do que as pessoas esperam, já que a ideia em voga é a de que investir mais cedo leva a melhores retornos.

A Série D é um ponto de inflexão para esse “sem risco” de acordo com os dados, porque é por volta dessa época que o risco de investimento “começa a ir de ‘Será que essa empresa vai conseguir ou não ou essa empresa vai florescer para ser uma empresa que sai por meio de um IPO ou outra forma de evento de saída?’”.

Há de se observar também que o relatório tem um “viés de ‘sobrevivente’ inerente” porque analisou apenas empresas que passaram por um IPO. Obviamente, para passar por um IPO, você tem que fazer algo certo.

Ainda é digno de nota ver os retornos anualizados para investimentos em estágio inicial em comparação com os de estágio final.

Por exemplo, os investimentos feitos nos estágios das Séries G e H tiveram retornos anualizados acima de 80% no fechamento de seis meses, enquanto os investimentos feitos na Série A tiveram um retorno anualizado de cerca de 63%.

Os investimentos feitos nos pontos de entrada das Séries B, C e D tiveram retornos anualizados de 53%, 55,3% e 54,6%, respectivamente, no fechamento de seis meses, segundo o relatório.

Entrar pelo preço de oferta produziu os piores retornos anualizados dos dados analisados ​​– no fechamento de seis meses, os investimentos feitos pelo preço de oferta tiveram um retorno anualizado de 39,8%.

As empresas também estão se mantendo fechadas por mais tempo, com a idade média das empresas que realizaram um IPO entre 2011 e 2021 chegando a 12 anos (para contextualizar, a idade média das empresas que abriram o capital entre 1997 e 2001 foi de cerca de 5,5 anos).

Com as empresas permanecendo privadas por mais tempo, os acordos em estágio final aumentaram e foram cada vez maiores em tamanho, acompanhando a crescente demanda. Mais capital privado disponível significa que as empresas podem permanecer privadas por mais tempo, o que significa que mais capital privado pode ser implantado, o que leva a mais capital privado levantado por fundos;

E com o mercado de IPO quase parado este ano, certamente parece que as empresas permanecerão privadas ainda mais.

Fonte: www.biznews.com.br/investir-no-inicio-de-uma-startup-e-sempre-melhor