É justo mudar (de novo) os critérios de classificação para a Olimpíada?

Há pouco mais de dois meses, quando o surto de coronavírus tornou-se uma pandemia, ficou claro que seu efeito devastador afetaria praticamente todas as áreas da sociedade. Impedidos de treinar em condições adequadas dada a necessidade do isolamento social, muitos atletas comemoraram quando foi anunciado o adiamento dos Jogos de Tóquio para daqui um ano, em julho de 2021. Em praticamente metade das modalidades olímpicas, o alívio veio em função da definição de um novo calendário para o preenchimento das vagas remanescentes.

Mas em alguns esportes, os dirigentes parecem ter tomado gosto pelo ambiente já abalado pela crise sanitária e modificaram mais uma vez as regras do jogo. A Federação Internacional de Karatê (WKF, na sigla em inglês) decidiu na última quarta-feira, 20, retomar o sistema de ranking mundial da modalidade, dois meses depois de anunciar uma lista de atletas classificados aos Jogos Olímpicos. A WKF justificou a decisão, em nota, alegando que a paralisação do ranking se deu em um cenário no qual os Jogos Olímpicos ainda não haviam sido adiados.

A remarcação de Tóquio-2020, segundo os dirigentes, permite que as disputas que foram canceladas ocorram em novas datas, a serem anunciadas, dando a possibilidade de outros atletas brigarem no tatame pelas quatro vagas disponíveis por categoria. Mas com diferentes estágios da pandemia ao redor do globo, será justa a volta às disputas? Por mais que houvesse contestação, o congelamento do ranking na eclosão da pandemia garantiu, até aquele momento, a disputa em condições relativamente semelhantes de treinamento. E agora?

Esporteimagem22-05-2020-00-05-33Esporte“Reabertura das academias precisa ser consensual”, defende Gustavo BorgesEsporteimagem22-05-2020-00-05-34EsporteEx-manda-chuva da natação brasileira, Coaracy Nunes morre aos 82 anosEsporteimagem22-05-2020-00-05-35EsporteCoronavírus: os dilemas para a volta do futebol no BrasilEsporteimagem22-05-2020-00-05-36EsporteAutoridades japonesas já admitem cancelamento da Olimpíada de Tóquio

  • Políticaimagem22-05-2020-00-05-40Política1O colapso previsto por Mandetta começa a se tornar realidadePolíticaimagem22-05-2020-00-05-41Política2Sergio Moro afirma que apresentará ao STF provas contra BolsonaroPolíticaimagem22-05-2020-00-05-41Política3Entrevista explosiva de empresário agrava a situação dos BolsonaroBrasilimagem22-05-2020-00-05-44Brasil4Quarentena irá se estender até 1º de junho na cidade de São Paulo

    Um dos afetados pela mudança de critérios foi o brasileiro Vinicius Figueira, que estava classificado com a decisão da paralisação do ranking mundial. Com a nova canetada, Figueira, de 29 anos, terá que competir por uma vaga em Tóquio, mas em condições distintas de alguns concorrentes. Segundo o atleta, em entrevista ao site Olimpíada Todo Dia, ele irá brigar para que isso seja revertido. “Não acredito que seja certo publicar uma lista com os atletas qualificados e depois tirar o direito deles”, comentou Figueira.

    Continua após a publicidade

    Muitos dos primeiros países afetados pela pandemia antes do Brasil, como a China, Coreia do Sul e Alemanha, já se encontram em melhores situações e puderam reabrir setores da economia e sociedade, dentre eles os esportes. Os atletas dessas nações já retomaram seus treinamentos para disputar as vagas restantes para Tóquio, enquanto outros ainda encontram-se em quarentena.

    Fonte: veja.abril.com.br/esporte/e-justo-mudar-de-novo-os-criterios-de-classificacao-para-a-olimpiada