Brasil pode enfrentar 'apagão de professores' em 2040, diz pesquisa

Desinteresse dos jovens pelas carreiras de licenciatura, envelhecimento do corpo docente e abandono da profissão contribuem para que, daqui a menos de duas décadas, faltem professores na educação básica. Falta de professores é motivada principalmente pelo desinteresse dos jovens na carreira, considerada pouco atrativa
Prefeitura de Uberaba/Divulgação
Em 2040, haverá o risco de o Brasil enfrentar um “apagão” de professores na educação básica: faltarão 235 mil docentes nas escolas do país, segundo a projeção divulgada nesta quinta-feira (29) pelo Instituto Semesp.
Compartilhe esta reportagem no Whatsapp
Compartilhe esta reportagem no Telegram
Esse déficit pode ser atribuído ao:
desinteresse dos mais jovens – de 2010 a 2020, diminuiu a participação de alunos de até 29 anos entre os calouros dos cursos de licenciatura (queda de 9,8 pontos percentuais, de 62,8% para 53%);
envelhecimento dos profissionais da categoria – o número de docentes com mais de 50 anos, que provavelmente se aposentarão em breve, aumentou 109% de 2009 a 2021 (a maioria já exercia o magistério, mas sem o diploma);
abandono precoce da carreira, devido aos baixos salários e às condições precárias de trabalho;
avanço do ensino à distância na faculdade – nessa modalidade, predominante desde 2016, as taxas de evasão são mais altas (de cada 3 alunos de EAD, um desiste no meio do caminho).
As informações acima tomam como base os números divulgados anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).
LEIA TAMBÉM: Mesmo com notas baixíssimas no MEC, faculdades de pedagogia caçam alunos com mensalidades abaixo de R$ 200
Áreas mais prejudicadas
Segundo o Inep, as especialidades com maior queda no número de concluintes na graduação, entre 2016 e 2020, foram:
biologia (-21,3%);
química (-12,8%);
ciências sociais (-11,7%);
letras (-10,1%);
história (-7,5%);
geografia (-6%).
Em pedagogia, houve um aumento de 9,8%, motivado provavelmente pela ampliação do mercado de trabalho: desde 2009, a educação infantil passou a ser obrigatória para crianças de 4 anos.
Baixa remuneração
De acordo com dados de 2020 da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), um professor do ensino médio ganhava, em média, R$ 5,4 mil. É um salário mais baixo do que o recebido por profissionais graduados e empregados no Brasil (R$ 6,5 mil).
Veja abaixo as remunerações médias em cada etapa da educação básica:
Professor de educação infantil (creche): R$ 2.489
Professor de educação infantil (pré-escola): R$ 3.777
Professor de ensino fundamental I: R$ 3.810
Professor de ensino fundamental II: R$ 3.835
Professor de ensino médio: R$ 5.418
Vídeos

Fonte: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2022/09/29/brasil-pode-enfrentar-apagao-de-professores-em-2040-diz-pesquisa.ghtml