Daniel Alves, o capitão sorridente: ‘Não me escondo’

PORTO ALEGRE – A irreverência e a habilidade seguem intactas e Daniel Alves sabe que ganhou novas responsabilidades na seleção brasileira que disputará a Copa América a partir da sexta-feira, 14. O lateral baiano do PSG retomou a faixa de capitão que usaria na Copa da Rússia se não tivesse se machucado e é hoje a referência de um time formado por diversos jovens, especialmente no ataque.

Daniel, de 36 anos, diz se sentir bem na função de capitão, que segundo ele “não muda nada, na verdade” e rejeita a pecha de líder rabugento. “Minha personalidade é essa, o sorriso é o reflexo da alma e minha alma está sempre feliz. Divertir-se é fundamental, fazemos o que amamos. É preciso encarar as coisas com responsabilidade, sem esquecer de sorrir”, disse, depois da vitória por 7 a 0 em amistoso contra Honduras, no Beira-Rio, em Porto Alegre.

Tabela completa da Copa América 2019

O jogador campeão por Sevilla, Barcelona, Juventus e PSG, é também o sexto atleta que mais vestiu a camisa da seleção brasileira, com 110 apresentações.  “É um amadurecimento que vem com o tempo, e tento passar a eles, para tentar evitar certas situações. É um momento muito importante, de crescimento, de responsabilidade. Não me escondo, pelo contrário, gosto da responsabilidade.”

Daniel Alves, convocado pela primeira vez em 2006, rejeitou a tese de que não há sucessor para ele, lembrou do que ocorreu  com Cafu, seu antecessor e grande referência como lateral e capitão, e acredita que há jovens que poderão assumir o posto no futuro.

“Temos o Fagner, o Danilo, o Guga, jogadores de alto nível.  Mas o jogador tem de viver um processo. Quando estavam Roberto Carlos e Cafu, falavam que estava demorando a aparecer alguém, e viemos eu e o Marcelo. Acredito que o Brasil continua sendo o país que mais produz jogadores de qualidade. É só uma questão de tempo.”

Mais velho de um grupo cuja média de idade é 27,3 anos, Daniel Alves é o único integrante da seleção que já venceu a Copa América: em 2007, na Venezuela, marcou um gol na vitória por 3 a 0 sobre a Argentina.  Na próxima sexta, o lateral ostentará a braçadeira no Morumbi, em São Paulo, onde a seleção brasileira enfrenta a Bolívia na abertura da Copa América.

Fonte: veja.abril.com.br/placar/daniel-alves-o-capitao-sorridente-nao-me-escondo