Estudo prova que cachorros detectam doenças em frutas | VEJA

De acordo com um estudo publicado na segunda-feira (3) no periódico científico Proceedings of the National Academy of Sciences, a melhor solução para uma das doenças mais comuns em frutas cítricas é a ação de cães farejadores. A pesquisa foi organizada pelo Departamento de Agricultura dos EUA.

A doença, conhecida como greening, faz com que as folhas de limões, laranjas e tangerinas fiquem amareladas e frágeis, podendo se espalhar por todo um pomar. Ela é transmitida por insetos, que carregam as bactérias causadoras da doença.

  • Relacionadas
  • Mais Lidas

Saúdeimagem22-02-2020-01-02-44SaúdeCoronavírus: Câmara aprova projeto de lei para repatriação de brasileirosSaúdeimagem22-02-2020-01-02-44SaúdeAlimentação saudável previne a obesidade infantil e o câncerSaúdeimagem22-02-2020-01-02-53SaúdeCoronavírus: o que prevê o projeto de lei para repatriação de brasileirosSaúdeimagem22-02-2020-01-02-53SaúdeEmagrecimento em cápsulas

  • Entretenimentoimagem22-02-2020-01-02-54Entretenimento1BBB 20: Público pede expulsão de participante após polêmica em festaBrasilimagem22-02-2020-01-02-54Brasil2Namorado de Gugu Liberato entra na briga pela herançaEntretenimentoimagem22-02-2020-01-02-57Entretenimento3Silvia Abravanel pede demissão do SBT e pega Silvio Santos de surpresaEntretenimentoimagem22-02-2020-01-02-57Entretenimento4Como Manu Gavassi levou Chay Suede para dentro do BBB e expôs a Globo

    Até agora, a melhor saída para frutas com greening é a eliminação das árvores doentes antes que a bactéria seja disseminada pela plantação. A identificação rápida da doença é muito importante, uma vez que plantas infectadas podem dispersar as bactérias, sem apresentar sintomas visíveis ao olho humano.

    No entanto, segundo o novo estudo, o Departamento de Agricultura descobriu que treinar cachorros para farejar a presença da bactéria causadora do greening pode ser um método mais eficaz. Quando testada em mais de mil árvores, a ideia teve 99% de sucesso.

    Publicidade

    Até agora, 19 cães foram treinados para esse fim. Os animais foram enviados à Califórnia e à Flórida, onde a doença causou uma queda de 70% nas laranjas cultivadas para virar suco e no mercado de frutas frescas, para ajudar nas plantações. Vale lembrar do impacto econômico dessas plantações: em 2006, a Flórida fornecia 67% das frutas cítricas cultivadas nos Estados Unidos.

    Fonte: veja.abril.com.br/ciencia/estudo-prova-que-cachorros-detectam-doencas-em-frutas