TJMA: órgão alcança o 12º maior índice de sustentabilidade entre tribunais estaduais

O Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) alcançou o percentual de 52,3% no Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS), ocupando a 12ª colocação no ranking de sustentabilidade entre os 27 tribunais estaduais no país.

Com a conquista, o Tribunal maranhense saiu do 23º lugar, avançando 11 posições.

O resultado – fruto de esforço coletivo coordenado pelo Núcleo Socioambiental do TJMA – foi divulgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), nessa quinta-feira (23), durante a apresentação do 6º Balanço da Sustentabilidade do Poder Judiciário, que traz um panorama das ações dos tribunais na área da responsabilidade socioambiental.

O IDS combina vários indicadores, como consumo de energia, água, telefonia, papel e copos descartáveis. Também considera o número de usuários por veículo, a reciclagem de materiais, a quantidade de impressoras e a participação em ações de qualidade de vida, capacitação ambiental e solidariedade. A meta ideal é atingir os 100%.

Para o presidente do Núcleo Socioambiental, desembargador Jorge Rachid, a melhoria em diversos índices é resultado de um trabalho colaborativo entre as unidades judiciárias e administrativas do Poder Judiciário do Maranhão. 

“A vitória é de todos nós. Tenho a convicção de que os nossos índices melhoraram por conta do empenho de cada magistrado, magistrada, servidor, servidora, colaborador e colaboradora. Peço que continuem a trabalhar com afinco nessa missão por um ambiente de trabalho mais sustentável, com aplicação de práticas de consumo consciente, para diminuirmos possíveis impactos negativos ao meio ambiente”, destacou o desembargador Jorge.

O CNJ disponibilizou relatório completo do balanço, apresentando dados de 118 órgãos, entre tribunais e seções judiciárias, divididos em: 27 tribunais de justiça (TJ), 27 tribunais regionais eleitorais (TRE), 24 tribunais regionais do trabalho (TRT), cinco tribunais regionaisfederais (TRF), 26 seções judiciárias, três tribunais de justiça militar (TJM), dois conselhos e quatro tribunais superiores.

Durante a apresentação, o presidente do CNJ, ministro Luiz Fux, reforçou o compromisso do Judiciário com a defesa e a proteção do meio ambiente.

“O balanço de sustentabilidade colabora para que seja feita uma gestão cada vez mais eficiente e assertiva, que estimule condutas de trabalhos conscientes, voltadas à difusão de boas práticas de sustentabilidade já adotadas e à mitigação dos impactos causados ao meio ambiente em decorrência das atividades do Poder Judiciário”, explicou.

O relatório apontou o TJMA entre os 12 órgãos que não consumiram nenhum tipo de copo descartável em 2021. Desde 2017, a Corte estadual proibiu o uso de copos descartáveis, por meio do Ato da Presidência nº. 52017.

De acordo com o relatório, também houve um avanço considerável na quantidade de pessoas que participaram de ações de qualidade de vida e de capacitações socioambientais. Em 2021, foram 65.185 participantes em ações de qualidade de vida e 19.602 em ações socioambientais.

Outro dado importante diz respeito à redução do número de impressões. Em 2016, o TJMA realizou cerca de 22,5 milhões de impressões. No ano de 2021, a quantidade foi reduzida para 14,9 milhões. 

Para reduzir ainda mais esse número (ainda considerado alto, apesar do avanço), o Tribunal de Justiça, recentemente, emitiu circular aos juízes de Direito e secretários judiciais solicitando devolução de 434 impressoras subutilizadas nas unidades judiciais.

O ato conjunto foi assinado pelo presidente em exercício do TJMA, desembargador Ricardo Duailibe, e pelo corregedor-geral da Justiça, desembargador Froz Sobrinho, com base em análise do Núcleo Socioambiental. O Núcleo também está promovendo a campanha interna de conscientização #ConsumoConsciente, para evitar os desperdícios.

Fonte: oimparcial.com.br/cidades/2022/06/tjma-orgao-alcanca-o-12o-maior-indice-de-sustentabilidade-entre-tribunais-estaduais