Em São Luís, maioria dos idosos que sofrem violência são mulheres, pardas e de baixa renda

As idosas com idade entre 60 e 70 anos, autodeclaradas pardas, alfabetizadas e com renda de até um salário mínimo são as maiores vítimas de violência na Região Metropolitana de São Luís.

Foi o que revelou a pesquisa desenvolvida pelo Núcleo de Pesquisa Educação e Cuidado em Enfermagem (Nupece), da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), a partir de denúncias recebidas pelo Centro Integrado de Apoio e Prevenção à Violência contra a Pessoa Idosa (Ciapvi) da Defensoria Pública do Estado do Maranhão (DPE/MA).

O resultado da pesquisa foi apresentado pelo Prof. Me. Rafael de Abreu Lima, que coordenou o estudo, durante a reunião ampliada da Associação Nacional de Gerontologia no Maranhão, realizada semana passada, na sede da DPE/MA, como parte da programação da Campanha de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 2022, que será encerrada nesta terça-feira, dia 5, com uma audiência pública sobre o assunto no auditório da OAB-MA, às 8h30.

Além do perfil da vítima, a pesquisa também apontou o perfil dos agressores, as principais violências praticadas e tendências verificadas nos últimos anos.

Foram analisadas 5.743 notificações de violência contra a pessoa idosa na Região Metropolitana de São Luís, recebidas pelo centro especializado da Defensoria, no período de 2015 a 2020.

O estudo dessas denúncias mostrou uma feminização da violência contra a pessoa idosa. Mulheres são maioria entre as vítimas, um total de 58,9%. Já os homens, são 41,1%. A maioria dessas pessoas que sofreram algum tipo de violência tem entre 60 e 70 anos.

A pesquisa revelou ainda importantes dados socioeconômicos sobre o envelhecimento na região.

A maioria das vítimas, 52,9%, é autodeclarada parda e 87,5% escolarizados. Além disso, o estudo das denúncias apontou que um total de 86,1% das pessoas que sofreram violência tem renda de até um salário mínimo, o que demonstra que a baixa renda tem se mostrado fator de risco para todos os tipos de violência.

A negligência, caracterizada pela falta de cuidados básicos com o idoso, relacionados à higiene, saúde, medicamentos ou mesmo proteção contra frio ou calor, foi a violação mais cometida.

Foram 31,2% dos casos de violência no período avaliado, seguidos de casos de violência psicológica (50%) e abuso financeiro (21%), que também tiveram uma prevalência.

E quem mais se destacou dentre os agressores que cometeram violência contra pessoas idosas foram os próprios filhos (48,3%), que apresentaram um percentual significativo ao longo do período estudado.

O próprio estudo aponta alguns aspectos que podem explicar essa relação entre agressores filhos e pais vítimas. Uma delas são os novos modelos familiares, que vislumbram os casos dos filhos que têm retornado para a casa dos pais, e o fato de o idoso ser o responsável pelo sustento de todos, o que gera uma dependência financeira dos filhos.

Além disso, observa-se também em alguns casos a falta de vínculo significativo entre o filho e o idoso, por vezes, decorrente da exposição à violência desde a infância e da transmissão intergeracional desse comportamento violento.

Além dos filhos e outros parentes, como primos, sobrinhos e netos, também se destacam entre agressores as instituições. Segundo a coordenadora do Centro Integrado de Apoio e Prevenção à Violência contra a Pessoa Idosa (Ciapvi), Isabel Lopizic, a violência institucional é aquela exercida dentro do ambiente institucional seja público ou privado, em que o idoso tem atendimento negado ou é tratado de forma agressiva ou com descaso.

Ainda de acordo com ela, um dos exemplos mais recorrentes são as violências praticadas nas instituições financeiras.

“O idoso vai buscar uma coisa e passam para ele alguma oferta de empréstimo ou financiamento que vai endividá-lo por muitos anos. Ou também acontece o contrário, quando o idoso escuta que ele já tem uma idade muito avançada e não pode mais tirar empréstimo. Mas ele continua sendo um cidadão de direitos e a negativa disso é um desrespeito, uma violência”, disse.

Mais do que evidenciar o perfil das vítimas e dos agressores e os casos de violência mais denunciados, a pesquisa expôs ainda um importante dado: a tendência de crescimento entre os tipos de violência denunciados.

Entre 2015 e 2020, houve um aumento considerável nos casos de abandono (13,22%), negligência (20,22%) e autonegligência (20,83%).

Para o defensor público Cosmo Sobral, do Núcleo de Defesa da Pessoa Idosa, a pesquisa sistematiza relevantes dados que traduzem a realidade e que poderão ser utilizados para mudar o cenário atual.

“Essa pesquisa coloca em bases científicas aquilo que a gente observa na prática diária, como por exemplo o fato de que os maiores violadores estão no seio familiar. Com a pesquisa, o poder público, a sociedade civil organizada e entidades que trabalham essa temática podem agora, de maneira mais específica, desenvolver campanhas e projetos para tocar a família em relação à violência contra a pessoa idosa, com uma abordagem multidisciplinar”, destacou.

Para o defensor público Vinícius Goulart, também titular do Núcleo de Defesa da Pessoa Idosa, o estudo poderá contribuir profundamente com o enfrentamento da violência contra a pessoa idosa.

“Verificamos que há uma necessidade premente de adequarmos as políticas públicas voltadas à atenção ao idoso com os dados colhidos através desse estudo”, disse.

Segundo ele, há uma necessidade constante de aprimorar as campanhas de conscientização, sempre reforçando a ideia de que o idoso é um sujeito de direitos que merece o respeito da família e da sociedade.

“Além disso, vemos também a necessidade de um constante fortalecimento da rede de proteção, sempre com o esclarecimento à população acerca dos canais adequados para relatos de denúncias de violações a direitos”, pontuou.

Para o Prof. Me. Rafael de Abreu Lima, é uma grande satisfação ver que os resultados da pesquisa poderão influenciar diretamente na construção de políticas públicas.

“Nossa pesquisa foi motivada pelo interesse de sabermos como a sociedade se comporta diante desse processo de envelhecimento global, porque ocorre a violência contra a pessoa idosa, que muitas vezes é mais vulnerável e frágil”, disse Rafael de Abreu Lima, acrescentando sobre que estratégias podem ser utilizadas para melhorar as condições de vida e diminuir os índices de violência contra a pessoa idosa.

“E tais perguntas estão sendo respondidas com os dados coletados e resultados da pesquisa. Particularmente, me sinto feliz por trazer uma resposta à sociedade com dados reais, fiéis e concretos sobre o comportamento e a tendência que a nossa sociedade está tendo com relação a esse problema que é de todos”, declarou.

Fonte: oimparcial.com.br/cidades/2022/07/em-sao-luis-maioria-dos-idosos-que-sofrem-violencia-sao-mulheres-pardas-e-de-baixa-renda