BTS e outros nomes do K-pop se pronunciam sobre #BlackLivesMatter

imagem05-06-2020-18-06-20
imagem05-06-2020-18-06-20
perfume ch o boticario fragrancia capricho mood
perfume ch o boticario fragrancia capricho mood

Os artistas do K-pop estão se pronunciando sobre o movimento #BlackLivesMatter (Vidas Negras Importam). A causa — que se estendeu pelas ruas e redes sociais após George Floyd ser asfixiado até a morte por policial branco em Minneapolis, nos Estados Unidos —, ganhou o mundo e também chamou atenção dos astros sul-coreanos.

Depois de Ariana Grande, Tinashe, Halsey, Camila Cabello e outras celebridades da música americana irem às ruas manifestar seu apoio a comunidade negra, do outro lado do planeta, na Coreia do Sul, grupos como BTS, Monsta X e ATEEZ estão se somando a outros artistas do ritmo e utilizando as plataformas, além do alcance massivo, contra o racismo nos últimos dias. “Nós somos contra a discriminação racial. Nós condenamos a violência. Você, eu e todos nós temos o direito de sermos respeitados. Nós estamos juntos”, escreveu BTS em seu perfil:

우리는 인종차별에 반대합니다.우리는 폭력에 반대합니다.나, 당신, 우리 모두는 존중받을 권리가 있습니다. 함께 하겠습니다.

We stand against racial discrimination.We condemn violence.You, I and we all have the right to be respected. We will stand together.#BlackLivesMatter

— 방탄소년단 (@BTS_twt) June 4, 2020

Monsta X publicou: “Nós estamos juntos pela igualdade, justiça e dignidade.”

We stand together for equality, justice and dignity. #NoRacism #NoViolence #BlackLivesMatter pic.twitter.com/6JGJXtcXdP

— 몬스타엑스_MONSTA X (@OfficialMonstaX) June 4, 2020

O boy group ATEEZ mostrou apoio dizendo: “Somos solidários com aqueles que deram suas vidas pelo direito de serem ouvidos.”

같은 빛 받아도 다른 빛깔, 색에는 없지 책임.

We stand in solidarity with those who have given their lives for the right to be heard. #StopRacism #StopTheViolence#BlackLivesMatter

— ATEEZ(에이티즈) (@ATEEZofficial) June 4, 2020

Até o momento a lista de adeptos já conta com dezenas de nomes e vem crescendo a cada dia. BM e Jiwoo, do quarteto KARD, mostraram sua solidariedade e divulgaram links para doações; a cantora Minzy, ex integrante do 2NE1, disse: “Todas as cores são lindas e preciosas”; Tiffany Young, AleXa, Eric Nam, Irene, e Jae, integrante da banda Day6, também realizaram doações e compartilharam #BlackLivesMatters para seus milhares de seguidores.

it does not matter what color your skin is, this affects you. RACISM IS NOT DEAD. George and Ahmaud are just two of the countless number of black men and women who have lost their lives senselessly. sign the petitions, raise your voice, and do what you can. #BlackLivesMatter pic.twitter.com/nJFYvchv7O

— 에릭남 (Eric Nam) (@ericnamofficial) May 29, 2020

Outros artistas como JK Tiger e Crush reforçaram a importância de um posicionamento da cena sobre a situação, principalmente, pelo fato de que a música pop coreana se inspira e utiliza elementos da cultura negra (como o hip hop, o break dance e o rap) na hora de criar. O rapper Jay Park demonstrou indignação em sua conta do Instagram e comentou sobre a influência que a música negra teve em toda a sua carreira. Ele também doou 10 mil dólares para o fundo de financiamento ao BLM.

View this post on Instagram

Sick of making post’s like this and sick of the same shit happening over and over again. Me being inspired by black culture aside me having black homies aside just as a man and a human being.. to think how helpless he felt and how inhumane he was treated… to think what if that was my dad, or uncle or homie makes me sick to my stomach. Countless INNOCENT UNARMED ppl losing their lives and nobody taking responsibility or being held accountable. Ppl who are supposed to protect and keep the public safe don’t even have the common sense or compassion to know if they are killing somebody innocent? Police Departments and Ppl in position of power not doing anything to provoke change.. all of it makes me sick… the whole system is corrupt… and nobody wants to admit it cause they are all afraid of taking responsibility for countless years of unjust inhumane treatment. Cant even begin fathom how fed up the black community is with so many years of abuse. I Pray to God the truth prevails and i Pray to God ppl who have compassion and empathy are put into a place of power and authority and ppl who abuse their power for their own greed and ego and to feel superior all disappear. Same for the civilians abusing their privilege calling the police and LYING. Act like some Fuckin human beings and may God have mercy on ur souls. #RIPGEORGEFLOYD

A post shared by Jay Park / 박재범 ($hway bum) (@jparkitrighthere) on May 28, 2020 at 12:02am PDT

A cantora CL foi outra que publicou carta aberta para seus seguidores: “Artistas, diretores, escritores, dançarinos, designers, produtores, estilistas na indústria do K-pop são todos inspirados pela cultura negra, tendo conhecimento disso ou não”, e continuou, “Eu gostaria de encorajar os fãs de K-pop a devolverem e mostrarem o amor e apoio que nós recebemos dos artistas negros”, disse. Revelando suas inspirações femininas negras e dizendo que todos nós estamos conectados com o que está acontecendo, ela concluiu, “Nunca é tarde demais, vamos mandar amor e apoio por cuidado, elevando vozes negras, nos educando e deixando cientes as pessoas ao nosso redor.”

View this post on Instagram

+

A post shared by CL (@chaelincl) on Jun 4, 2020 at 2:35am PDT

Fãs ativistas:

Enquantos os idols estão levantando a bandeira antirracista, os fãs de K-pop também estão fazendo sua parte. Quer um bom exemplo? No dia 31 de maio, fandoms se organizaram através do Twitter para derrubar um aplicativo criado pela polícia de Dallas que funcionaria para denunciar possíveis ações violentas dos ativistas. “Se você possui vídeos de atividades ilegais em protestos e quer compartilhá-los com a polícia, você pode baixar nosso aplicativo iWatch Dallas. Você permanecerá anônimo em sua denúncia”, dizia a publicação. Não demorou para que as fancams (como são chamados os vídeos curtos que são viralizados nas redes para promover artistas) dominassem a postagem.

I got footage of a criminal right here

pic.twitter.com/2uBxIhwuYU

— see pinned?Jimin’s Little Spoon⁷ (@heatherhellrasr) May 31, 2020

A ação pedia que todos baixassem o aplicativo e enviassem vídeos de cantores e grupos ao invés de imagens dos protestos. Rapidamente o aplicativo ficou sobrecarregado e saiu do ar. Horas depois, a polícia de Dallas fez um novo post avisando que o app havia sido retiro das plataformas.

Due to technical difficulties iWatch Dallas app will be down temporarily. pic.twitter.com/zksA1hkVhV

— Dallas Police Dept (@DallasPD) May 31, 2020

Na terça-feira, dia 2 de junho, a tag #BlackoutTuesday (Terça-feira do apagão) surgiu acompanhada por quadrados pretos e preencheu toda a timeline. A manifestação virtual também incentivou usuários a divulgarem iniciativas, petições e influenciadores negros. Novamente, grandes nomes do K-pop como PSY, HyunA, Dawn, BoA, Wonho, Amber e Jessi seguiram a tendência e se posicionaram. Em seguida, supremacistas brancos tentaram levantar a tag #WhiteLivesMatter (Vidas Brancas Importam) como resposta ao movimento antirracista, mas não durou muito tempo. Novamente os kpoppers foram acionados para abafar as postagens racistas com spam de fancams e imagens de seus ídolos — e deu certo.

A intervenção positiva foi reconhecida por diversos ativistas e representantes da comunidade negra. O diretor de cinema Jordan Peele, vencedor do Oscar de melhor roteiro original pelo filme Corra!, fez questão de agradecer:

❤️ #kpopstans

— Jordan Peele (@JordanPeele) June 4, 2020

Essa, no entanto, não foi a primeira vez que um fandom do K-pop se engajou politicamente. Há anos que os fãs já organizam protestos, cobram posicionamento de agências sobre seus artistas favoritos, dão suporte e arrecadarem doações para entidades e causas sociais. Em março, por exemplo, o ARMY arrecadou cerca de 1,5 milhões de reais para ajudar no combate à propagação do novo coronavírus na Coreia do Sul

Racismo dentro do fandom:

Fã-clubes são uma parte essencial de poder apoiar os artistas que amamos. Muitas vezes pertencer a um deles pode ser um caminho para nos relacionarmos com culturas diferentes, da mesma forma que também funcionam como um lugar emocionalmente seguro para muitas pessoas. Mas apesar dessa sensação de pertencimento e mesmo com a pluralidade de membros, eles não escapam do racismo. “Vivendo em uma sociedade racista é preciso entender que o fandom de K-pop, formado por indivíduos, não foge dessa realidade enquanto reflexo social do mundo em que estamos inseridos”, apontou Érica Imenes, jornalista, podcaster e autora dos livros K-pop – Manual de Sobrevivência, e K-pop – Além da Sobrevivência.

Nos últimos dois anos as hashtags #BlackARMYSMatter, #BlackARMYSEquality e #BlackARMYSelcaDay criaram um espaço para que fãs negros do BTS compartilhassem suas vivências como fã. Para Érica, além do comportamento do fandom, existe uma movimentação inicial por parte dos artistas coreanos e suas agências, e, que a cobrança dos fãs por um posicionamento antirracista é necessária e urgente: “Existem nuances no gerenciamento dos artistas, mas com a globalização da Onda Coreana, a exportação desses produtos culturais precisa considerar discussões globais como esta para que os fãs se sintam seguros em consumi-los”, disse. Como mulher negra e criadora de conteúdo, Imenes entende que as redes sociais também podem ser um agente de mudança: “Acredito que os fãs estão procurando entender e aprender melhor o que é o racismo. Precisamos agir dentro do fandom e falarmos sobre racismo como indivíduos e como sociedade para refletirmos sobre tudo isso de um jeito mais saudável”, concluiu.

Enquanto os protestos estão sem previsão para acabar, o movimento Black Lives Matter continua ganhando novos aliados através do K-pop. Criado pelas ativistas negras Alicia Garza, Patrisse Cullors e Opal Tometi, a organização fundada em 2013 possui a missão de combater o racismo, o fascismo, a desigualdade e a violência policial.

Como disse a professora e filósofa socialista estadunidense negra Angela Davis: “Numa sociedade racista, não basta não ser racista é preciso ser antirracista.”

Fonte: capricho.abril.com.br/famosos/bts-e-outros-nomes-do-k-pop-se-pronunciam-sobre-blacklivesmatter

Coronavírus em Tempo Real