Aplicativos de ônibus oferecem viagens com preços baixos

Fretar um ônibus remete à ideia de um negócio de alta envergadura, que envolve logística complicada. Pois esqueça o velho conceito, reinventado nos dias de hoje para atender a um novo propósito: transportar gente que quer viajar pagando menos e sem ter trabalho. Até agora, duas empresas vêm chacoalhando o universo rodoviário ao oferecer um serviço já conhecido como o “Uber dos ônibus”. A exemplo do aplicativo que imprimiu outra lógica em um setor dominado pelos táxis, a safra que abarca os coletivos só opera on-line e consegue emagrecer os preços à base do casamento da demanda com a oferta. À medida que as pessoas compram as passagens na internet, a ocupação vai subindo, subindo, até que a turma reunida é suficiente para garantir o aluguel do ônibus com motorista — afinal é disso que tratam a paulista Buser, a maior do mercado que se desbrava no Brasil, e a gaúcha Levebus. Elas são “facilitadoras no compartilhamento”, como reza o jargão, e não companhias de transporte, já que não têm um único veículo na garagem.

Primeira a demarcar espaço nas estradas brasileiras, a Buser (pronuncia-se com “u” mesmo) surgiu na cabeça do engenheiro aeronáutico Marcelo Abritta, 37 anos, quando ele estava para se casar, na Bahia, em 2016, e queria levar trinta amigos de ônibus à cerimônia. Abritta fez as contas e concluiu que saía mais barato fretar um ônibus com motorista e deixá-lo esperando durante os quatro dias de festejos, até a volta, do que comprar as passagens. Decidiu então apostar junto com um amigo em um negócio que fizesse o meio de campo para os viajantes. A Buser começou a funcionar para valer em março de 2018 e, atualmente, roda em quarenta cidades brasileiras do Sudeste, carregando 1 500 pessoas por dia em ônibus fornecidos por trinta empresas, que também garantem o motorista. A Levebus, que estreou em fevereiro de 2019, alcança trinta cidades na Região Sul e em São Paulo. Graças a estruturas muito enxutas, ambas conseguem preços em média 60% mais baixos que os do mercado. “Fiquei na dúvida, mas passei a usar o aplicativo da Buser e nunca tive problema”, disse a VEJA a produtora carioca Larissa Moraes, prestes a embarcar para São Paulo em sua décima viagem no esquema de frete.

A novidade está provocando uma pequena revolução no nicho rodoviário. Enquanto se vê uma enxurrada incomum de promoções, um dos grandes grupos, o Águia Branca, dono da Expresso Brasileiro, foi mais longe e criou em julho o braço Aguiaflex, que duela em preço com os novatos no estilo Uber. O embarque nem sempre é feito em rodoviária, pode ocorrer em algum ponto pré-combinado, e os bilhetes são vendidos exclusivamente pela internet — o que poda custos e faz com que as cifras ombreiem com as da Buser e da Levebus. Mas nem tudo é igual ao serviço convencional (veja o quadro). O administrador Denis Silva, 38 anos, ficou perdido na hora de achar o local exato do embarque, no Centro do Rio. “Faltou sinalização”, conta. “O serviço ainda está em fase de testes e aperfeiçoamento”, explica Thiago Chieppe, diretor do Águia Branca. No caso deles, o assento comprado é garantido, mas não na Buser ou na Levebus, que não marcam lugar e eventualmente precisam cancelar a viagem por falta de quórum. É prudente monitorar o site para saber. A Buser não revela a lotação mínima necessária para assegurar a partida; a Levebus informa que sai com uma ocupação em torno de 50%.

Como ocorreu com a Uber, o fretamento compartilhado é questionado juridicamente. “Essa é uma forma clandestina de prestação de serviços regulares”, afirma o advogado Alde Santos Júnior, que representa a associação do setor, a Abrati, em uma ação que tramita no Supremo Tribunal Federal. Um dos argumentos é que as novas plataformas digitais não cumprem exigências legais, como gratuidade para idosos e deficientes, além das normas de segurança que se aplicam à concorrência. Marcelo Abritta, da Buser, rebate: “A lei nos permite operar e seguimos, sim, os padrões de segurança”.

Muitas variações de transporte coletivo on demand têm surgido dentro e fora do Brasil, sempre contando com inteligência artificial para unir demanda e oferta. É o caso da goiana CityBus 2.0, que dita o trajeto de seus ônibus graças a um sistema acionado pelos próprios passageiros. As rotas são adaptadas à sua localização. Iniciativas semelhantes pululam em outras cidades, como Oxford e Nova York. No Cairo (Egito), a Uber acaba de inaugurar um serviço de vans compartilhadas, que tem tudo para vingar. É uma mudança no modo como as pessoas se locomovem e um impulso para trazer um quê de racionalidade ao quebra-cabeça do cada vez mais intrincado transporte urbano.

Publicado em VEJA de 28 de agosto de 2019, edição nº 2649

Fonte: veja.abril.com.br/tecnologia/aplicativos-de-onibus-oferecem-viagens-com-precos-baixos