Algo a se aprender com o caso Moro-Deltan: não há privacidade na rede

Já conversamos disso aqui neste blog. Como em casos de nudes de famosos vazados via WhatsApp (no link). Mas não custa lembrar: não existe privacidade na nuvem. O caso do vazamento das trocas íntimas de mensagens entre Moro e Deltan Dallagnol mais uma vez prova isso. Com outro peso na repercussão, é verdade. Deixemos isso para lá para se ater ao que importa na análise: não existe privacidade na nuvem.

Glenn Greenwald, do The Intercept Brasil (responsável por expor o troca-troca online dentre Moro e Deltan), manja disso há tempo. Recorde que o jornalista tornou pública até a, digamos assim, privacidade (talvez melhor aqui seriam segredos) do governo dos EUA, no caso Snowden. O nome lhe falha a memória? Vale recorrer ao Google.

Mark Zuckerberg, o genial e tempestuoso fundador do Facebook, já antecipava em 2010: “As pessoas estão confortáveis não só em compartilhar mais informações de diferentes tipos, mas de forma mais aberta e para mais pessoas. Essa norma social é simplesmente algo que evoluiu com o tempo”. Para Zuckerberg, a privacidade não é mais uma norma nesta era das redes sociais.

O que ele falava em 2010 faz mais sentido do que o posicionamento atual, no qual diz que “a privacidade é o futuro” e que quer tornar o Facebook uma “plataforma de comunicação focada na privacidade”. Besteira. Seja no Facebook, no Instagram, no WhatsApp ou no Telegram, este o preferido da dupla Moro e Deltan, não existe essa coisa de privacidade.

Privacidade é o que ocorre entre quatro paredes. Não se deveria esquecer desse clichê. A internet, a nuvem, não tem paredes – por mais que alguns, como os criadores de WhatsApp e Telegram, tentem nos convencer do contrário.

Existem, sim, trancas, em forma de criptografia, que dificultam o acesso a cofres virtuais. O Telegram é um desses cofres. Só que também navegam online hackers, ladrões hábeis em destrancar os cofres. Estes fazem valer o que norteia o trabalho dos hackers: sempre existe uma brecha, um bug, todo sistema é falho.

Dizia Gabriel García Márquez: “Seres humanos têm três vidas: a pública, a privada e a secreta”. Tudo que está na nuvem, na internet, pode ser encarado como público, ou quase isso. Ok, no WhatsApp trocamos mensagens íntimas com nossos parceiros(as), amigos, chefes. Era para ser privado, sim. Mas um pensamento saudável (ainda mais para figuras públicas) é levar em conta que tudo e qualquer coisa que for codificada em zeros e uns e jogada na nuvem pode ser descodificada por ladrões hábeis.

Trata-se de culpar a vítima? Nada disso – e já tratei disso em textos anteriores. O culpado pelo roubo é o ladrão. O que se expõe é apenas uma orientação, um conselho. O que está online pode facilmente deixar de ser privado do dia para a noite.

Aí se entra na terceira vida de Gabriel García Márquez: a secreta. É ainda mais imprudente falar de sua vida secreta no WhatsApp ou no Telegram. Como é imprudente deixar segredos guardados na gaveta (mesmo com tranca) de um escritório qualquer. Alguém sempre pode desvendar a senha, decodificar o codificado, e tornar público o segredo. Isso vale para nudes e tramóias (ou mesmo armas de fogo guardadas no armário em casa).

Também deste blog O que pode publicar no Facebook: ¼ de um mamilo O YouTube quer se limpar (de terraplanistas, supremacistas…) O Facebook é uma ameaça à democracia?

Vale repetir: privacidade é o que ocorre entre quatro paredes (isso se ninguém que estava dentre as mesmas paredes resolver descumprir o trato, evidentemente). A internet não tem paredes.

Para acompanhar este blog, siga no Twitter, em @FilipeVilicicno Facebook e no Instagram.

Fonte: veja.abril.com.br/blog/a-origem-dos-bytes/algo-a-se-aprender-com-o-caso-moro-deltan-nao-ha-privacidade-na-rede