Alerta antes do juízo final, por Adriano Abreu

a minha exasperação com a arte que faço, minha alegria, aquela doçura ou loucura minha, toda vida ou desaparecimento um segundo depois do fim, e esse assustador suspiro na vastidão, são asas de bem te vis, bocas dos jacarés nas lagoas do norte, trucidando a mediocridade, o desamor e a ausência do gozo primordial.

a arte que eu faço, todos os dias de todas as eras que já inventaram, é a profundeza do rio poty e o muque do rio parnaíba. o piau e a paixão.

caso você não se convença ainda com meu sangue regado nessa roseira, mano ou você está surdo-cego ou, definitivamente, moribundo.

Fonte: www.geleiatotal.com.br/2019/09/05/alerta-antes-do-juizo-final-por-adriano-abreu